sábado, 22 de junho de 2019

MAL DE ALZHEIMER: ALTERAÇÕES CEREBRAIS, SINTOMAS E TRATAMENTO


A tradução desse artigo e todo o material subjacente, é o primeiro passo nesta série que inicio. O restante, será para cuidadores, que são a parte mais sofrida e menos cuidada nessa doença.
Então vou repetir o que coloquei no início do livro “Como lidar com um diabético teimoso: Perigos, Subterfúgios e Mazelas de uma cuidadora”:

“Existem apenas quatro tipos de pessoas no mundo.
Aqueles que foram cuidadores.
Aqueles que são atualmente cuidadores.
Aqueles que serão cuidadores e aqueles que precisarão de um cuidador”.
Rosalyn Carter

O Mal de Alzheimer é uma doença cerebral progressiva que causa problemas de memória, pensamento e comportamento em adultos mais velhos. O transtorno afeta cerca de 44 milhões de pessoas mundo afora, e é a quinta causa de morte em pessoas com 65 anos ou mais.

O nome é frequentemente usado como sinônimo de demência, que é uma devastadora perda da memória e funções cognitivas em pessoas idosas.

Demência é um termo abrangente que serve para definer um declínio nas capacidades mentais, grave o suficiente para interferir na vida diária. Alzheimer é uma forma específica de demência, responsável por 50 a 70% dos casos da mesma.

O primeiro caso de Alzheimer foi descrito em 1906 pelo Dr. Alois Alzheimer, neurologista alemão, que identificou 2 dos principais traços físicos da doença ao examinar ao microscópio o tecido cerebral de uma mulher após a sua morte: 1- aglomerados anormais de proteínas (agora conhecidos como placas amilóides) e 2- feixes emaranhados de fibras nervosas (agora chamados neurofibrilas ou tau ).

ALTERAÇÕES CEREBRAIS

Uma explosão de pesquisas nos últimos cinco anos trouxe mais luz sobre o que acontece de errado no cérebro durante a doença de Alzheimer.
Quatro coisas são vistas no tecido cerebral de uma pessoa que morreu da doença: os 2 traços que o Dr. Alzheimer observou, além de perda de células nervosas e inflamação.
O aumento das placas (depósitos de proteína que se acumulam nos espaços entre as células nervosas), é amplamente acreditado de ser o que inicia a doença no cérebro. Emaranhados de proteínas (proteínas tau) podem se acumular dentro das células nervosas e, junto, com o aumento do número de placas, podem bloquear a comunicação entre as mesmas.
A perda contínua de conexões entre as células nervosas as prejudica de tal maneira que elas não conseguem mais funcionar adequadamente nas partes do cérebro afetadas, e acabam morrendo. Usualmente inicia-se na parte co cérebro ligada à memória, depois, à medida que mais células nervosas morrem, partes do cérebro que controlam o raciocínio, a linguagem e as habilidades de pensamento também são afetadas, e o tecido cerebral começa a encolher.
Os pesquisadores também suspeitam que a inflamação (ação excessiva das células imunes no cérebro) desempenha um papel importante na progressão da doença e é mais do que um efeito colateral.


SINAIS E SINTOMAS

As alterações cerebrais associadas à doença de Alzheimer podem começar uma década ou mais antes que a pessoa comece a sentir os sintomas
O sintoma inicial mais comum é a dificuldade em lembrar informações recém-aprendidas, como conversas recentes, eventos ou nomes de pessoas. Mas, nem todo mundo tem problemas de memória inicialmente, e algumas pessoas podem primeiro desenvolver mudanças de comportamento, dificuldades de linguagem ou problemas de visão.

Segundo a Clínica Mayo, os sintomas em pessoas com formas leves a moderadas de Alzheimer podem incluir:

• Repetição de declarações e perguntas repetidas .
• Esquecer conversas, compromissos ou eventos e não lembrá-los mais tarde.
• Não saber onde colocou coisas que usa rotineiramente e freqüentemente colocando-as em lugares ilógicos.
• Perder-se em lugares familiares.
• Esquecer os nomes de entes queridos e objetos do cotidiano.
• Problemas em encontrar as palavras certas para identificar objetos, expressar pensamentos ou participar de conversas.
• Ter dificuldade em se concentrar, pensar e gerenciar finanças.
• Dificuldade para executar atividades rotineiras, como cozinhar e jogar um jogo favorito e, eventualmente, esquecer como fazer
tarefas básicas, como se vestir ou tomar banho.

A doença de Alzheimer também causa os seguintes sintomas de humor e comportamento:

Apatia
Depressão
Insônia
Desconfiança
Alucinações e delírios
Raiva, agitação e agressão
Perda de inibições
Mudanças de humor
Retraimento social
Perambular e sair andando sem destino (é importante que pacientes com Alzheimer portem bracelets medicos com o nome e o telefone do cuidador, no caso se perca)
Pessoas com estágio avançado de Alzheimer experimentam uma perda severa da função cerebral e tornam-se completamente dependentes de outros para seu tratamento.
De acordo com os Institutos Nacionais de Saúde, os sintomas durante esta fase podem incluir:
Perda de peso
Infecções da pele
Dificuldade para engolir
Convulsões
Gemendo ou grunhidos
Aumento do sono
Falta de controle da bexiga e intestino

CAUSAS E FATÔRES DE RISCO

As causas ainda não são claras, mas os pesquisadores suspeitam que a doença é desencadeada por uma combinação de fatores genéticos, de estilo de vida e ambientais que afetam o cérebro ao longo do tempo.
Envelhecer é o maior fator de risco para o desenvolvimento da doença .
A doença de Alzheimer de início precoce afeta pessoas com menos de 60 anos e algumas formas podem ser herdadas. Mas a doença de início precoce representa menos de 10% de todas as pessoas com o transtorno. A doença de Alzheimer de início tardio é a forma mais comum da doença, e seus primeiros sintomas podem aparecer após os 65 anos.

Além da idade, outros fatores de risco para a doença de Alzheimer:

História Familiar: Pessoas cujos pais ou irmãos têm Alzheimer, têm um risco um pouco maior de contrair a doença.
Hereditariedade: mutações genéticas, como a herança do gene da apolipoproteína-E, podem contribuir para o desenvolvimento da doença (As mutações genéticas representam menos de 1% dos casos)
Síndrome de Down: Os portadores dessa Síndrome correm mais risco de ter Alzheimer porque têm três cópias do cromossomo 21, o que pode levar ao desenvolvimento de mais placas amilóides no cérebro.
Comprometimento cognitivo leve (MCI). As pessoas com MCI têm mais problemas de memória do que o normal para a idade, mas os sintomas não interferem em suas vidas. MCI pode aumentar o risco de desenvolver a doença de Alzheimer.
Ferimentos graves na cabeça: lesões na cabeça têm sido associadas a um aumento do risco de Alzheimer.
Baixos níveis de escolaridade: pessoas com menos de ensino médio tem maior risco.

DIAGNÓSTICO

Embora não haja um teste para diagnosticar a doença de Alzheimer, os médicos podem examinar o paciente em busca de sinais de derrame, tumores, distúrbios da tireóide ou deficiências de vitaminas, pois esses fatores também afetam a memória e a cognição.
Os médicos também farão um exame físico para avaliar o equilíbrio, a força e a coordenação motora do paciente e realizar testes neuropsicológicos de memória, linguagem e habilidades básicas de matemática. Juntamente com a revisão do histórico médico do paciente, o médico também pode pesquisar familiares ou amigos sobre o comportamento do paciente e mudanças de personalidade.
Nos últimos anos, a tomografia por emissão de pósitrons (PET) que pode detectar se placas ou emaranhados estão presentes, tem sido usada para diagnosticar ou monitorar a doença, especialmente em pesquisas.Outro avanço é o do uso de líquido cefalorraquidiano (punção lombar), para medir as concentrações anormais de proteína no cérebro, o que indica a presença de Alzheimer.

TRATAMENTO

Não há cura para a doença de Alzheimer, mas existem medicamentos disponíveis que tratam alguns dos sintomas da doença.
Os inibidores da colinesterase são medicamentos que podem ajudar com sintomas como agitação ou depressão. Essas drogas incluem donepezil (Aricept), galantamina (Razadyne) e rivastigmina (Exelon).
Outra medicação conhecida como memantina (Namenda) pode ser usada para retardar a progressão dos sintomas em pessoas com Alzheimer de moderado a grave. Antidepressivos também são usados para controlar os sintomas comportamentais.
Os especialistas concordam que, além da medicação, fatores relacionados ao estilo de vida, como a permanecer física, mental e socialmente ativos, podem ajudar o cérebro. Uma dieta rica em frutas, legumes e grãos integrais, com quantidades moderadas de peixe, aves e laticínios também pode ser benéfica.

PESQUISA

A pesquisa se expandiu significativamente na última década.
Dezenas de testes clínicos visam encontrar tratamentos para retardar a progressão da doença ou tratá-la ou mesmo preveni-la.
Ensaios clínicos anteriores se concentraram na prevenção do aumento de placas no cérebro, mas essas terapias experimentais não conseguiram grandes exitos.
Em vez de se concentrar em placas, testes recentes de drogas se concentraram em outros três objetivos para novas terapias.
Uma delas é descobrir se existem maneiras de fazer as células nervosas remanescentes do cérebro funcionarem melhor e com mais eficiência. A segunda busca maneiras de se livrar dos emaranhados no cérebro, e a terceira está investigando se a diminuição da inflamação pode prevenir alterações cerebrais prejudiciais.

Artigo original clique aqui

Alzheimer’s disease: Unraveling the Mystery  clique aqui

Alzheimer's treatments: What's on the horizon? clique aqui

Human Brain: Facts, Functions & Anatomy clique aqui


6 Big Mysteries of Alzheimer's Disease clique aqui


10 Early Signs and Symptoms of Alzheimer's clique aqui

Imaging Alzheimer's in the Brain clique aqui


Mayo Clinic Minute: Seeing Alzheimer's in a new way clique aqui

Tracking the onset of Alzheimer's clique aqui



segunda-feira, 17 de junho de 2019

ESTAS SÃO AS 5 SUBSTANCIAS MAIS VICIANTES NO MUNDO

Quais as drogas mais viciantes? O potencial para uma droga ser viciante pode ser julgado em termos do dano que causa, seu valor de rua, a extensão em que a droga ativa o sistema dopaminergico do cérebro, o quanto as pessoas sentem seus efeitos como agradáveis, o grau em que a droga provoca sintomas de abstinência, e com que facilidade uma pessoa ficará viciada ao experimentar uma droga
Basicamente, o potencial de dependência de uma droga é determinado por sua capacidade de produzir:
Rápido início de ação
Poderoso efeito
Curta duração de ação
Tolerância e efeitos quando de sua abstinência
Quanto mais uma droga tem esses recursos, maior seu potencial aditivo.
5. Álcool
O álcool tem muitos efeitos sobre o cérebro, mas em experimentos de laboratório em animais, aumentou os níveis de dopamina no sistema de recompensa do cérebro em 40-360%, e quanto mais os animais bebiam, mais os níveis de dopamina aumentavam. PET scans mostraram que o álcool libera endorfinas (hormônios do prazer) que se ligam a receptores opiáceos no cérebro, e é sentido como o beber nos faz sentir mais contentes, menos estressados, mais sociaveis (bebendo moderadamente).  
Cerca de 22% das pessoas que tomaram uma bebida desenvolverão dependência do álcool em algum momento da vida. O uso excessivo de álcool levou a aproximadamente 88.000 mortes e 2,5 milhões de anos de vida potencial perdida (APVP) a cada ano nos Estados Unidos, de 2006 a 2010, encurtando a vida numa média de 30 anos. O beber foi responsável por 1 em 10 mortes entre os adultos em idade ativa, entre 20-64 anos. Os custos econômicos do consumo excessivo de álcool em 2010 foram estimados em US $ 249 bilhões
4. Barbitúricos (“Downers”)
Barbitúrico são sedativos-hipnoticos e como tal, depressores do sistema nervoso central, podendo portanto, produzir um amplo espectro de efeitos, desde sedação leve até morte. Como têm um índice terapêutico muito estreito, pequenas diferenças na dose podem resultar em grandes diferenças nos efeitos, e os pacientes podem facilmente desenvolver efeitos colaterais. A combinação de barbitúricos com outros medicamentos, como opioides, benzodiazepínicos, antidepressivos ou medicamentos vendidos sem prescrição médica com anti-histamínicos, pode ser fatal.Inicialmente foram usados para tratar ansiedade e induzir sono.
3. Nicotina
A nicotina é o principal ingrediente viciante do tabaco. Quando alguém fuma um cigarro, a nicotina é rapidamente absorvida pelos pulmões e vai ao cérebro.
A OMS estimou que há mais de 1 bilhão de fumantes no mundo, e que o tabaco matará mais de 8 milhões de pessoas anualmente até 2030. Os animais de laboratório têm o bom senso de não fumar. No entanto, os ratos pressionam um botão para receber nicotina diretamente na corrente sanguínea, e isso faz com que os níveis de dopamina no sistema de recompensa do cérebro aumentem em cerca de 25-40%.
2. Cocaína
A cocaína interfere diretamente no uso da dopamina pelo cérebro para transmitir mensagens de um neurônio para outro. Em essência, a cocaína impede que os neurônios desliguem o sinal da dopamina, resultando em uma ativação anormal das vias de recompensa. Em experimentos em animais, a cocaína fez com que os níveis de dopamina aumentassem mais de 3 vezes o nível normal. Estima-se que entre 14 e 20 milhões de pessoas em todo o mundo usem.
A cocaína crack foi classificada pelos especialistas como sendo a terceira droga mais prejudicial, e a cocaína em pó, que causa uma elevação mais branda, como a quinta mais prejudicial. Cerca de 21% das pessoas que experimentam cocaína se tornarão dependentes disso em algum momento da vida. A cocaína é semelhante a outros estimulantes viciantes, como a metanfetamina, que está se tornando um problema cada vez maior.
1. Heroina
É um opiaaceo que causa um aumento do nivel de dopamina no sistema de recompensa de até 200%, em animais de laboratorio. Além de altamente viciante, é também extremamente perigosa, porque a dose mortal é só 5 vezes maior do que a dose que causa os efeitos de bem estar.  
Em 2018, o mercado global do de opioids (só o ilegal), foi avaliado em US $ 25,4 bilhões.
No mundo, mais de 15 milhões de pessoas consomem opiáceos ilícitos1 (ópio, morfina e heroína). A grande maioria usa heroína, a forma mais letal. Mais usuários morrem a cada ano de problemas relacionados ao uso de heroína, e mais são obrigados a procurar tratamento para dependência, do que para qualquer outra droga ilícita. Entre os narcóticos ilícitos, os opiáceos são também os mais caros em termos de tratamento, assistência médica e, possivelmente, violência relacionada às drogas. Além disso, a heroína é a droga mais associada à injeção, o que acarreta uma série de problemas de saúde agudos e crônicos, incluindo a transmissão de doenças transmitidas pelo sangue, como HIV / AIDS e Hepatite C. Na Ásia Central, Ucrânia e Federação Russa A injeção de opiáceos está ligada a quase 60-70% de todas as infecções pelo HIV.2
Além do impacto na saúde, a indústria ilícita de opiáceos também tem um efeito prejudicial na estabilidade e segurança vários  lugares, inclusive através do financiamento que fornece para insurgentes em áreas de produção,principalmente no Afeganistão. Em 1998, o Conselho Geral das Nações Unidas, em Sessão Especial da Assembléia sobre drogas, expressou profunda preocupação com as ligações entre a produção de drogas ilícitas, o tráfico e o envolvimento de grupos terroristas,criminosos e o crime organizado transnacional.
Já, a crise de opioides que está acontecendo aqui nos USA, custou $ 1 trilhão de 2001 a 2017, e está previsto um custo adicional de US $ 500 bilhões até 2020, segundo análise divulgada pelo Altarum.

Behavioral Perspectives on the Neuroscience of Drug Addiction clique aqui
Measuring Addiction Propensity and Severity: The Need for a New Instrument clique aqui
Psychoactive drugs of misuse: rationalizing the irrational clique aqui
The Global Opiate Market clique aqui
The Science os addiction clique aqui
World drug report 2018    clique aqui

quarta-feira, 12 de junho de 2019

VEJAM COMO SÃO E O QUE SÃO OS DIFERENTES TIPOS DE CÂNCER DE PELE

Utilidade Pública. Artigo orifinal no final

Se há uma coisa boa sobre câncer de pele, é que pode fácilmente ser identificado, se se souber o que procurar. E quanto mais cedo forem encontrados os sinais de câncer, mais cedo pode-se buscar tratamento.

Isso é extremamente importante, pois o câncer de pele é o câncer mais comum nos USA, com mais casos diagnosticados a cada ano do que todos os outros cânceres somados.

Já se sabe que passar muito tempo ao sol sem aplicar protetor solar pode aumentar as chances de câncer de pele, mas existem muitos outros fatores de risco, como por exemplo ter tido apenas uma queimadura feia, ter pele clara ou cabelos ruivos, viver em altitudes elevadas, voar com frequência ou dirigir muito, ficar exposto a certos produtos químicos e ter um histórico familiar de câncer de pele.

É por isso que é tão importante estar vigilante, já que o câncer de pele é perfeitamente tratável se pego no início. Assim, se notar que sua pele começa a formar um ponto que não se parece com qualquer outra coisa e não está melhorando, está crescendo, ou está agindo diferentemente de outras verrugas, VÁ AO MÉDICO JÁ (Saira J. George, MD, professor assistente de dermatologia na Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center).

A Skin Cancer Foundation recomenda fazer um auto-exame uma vez por mês. Não se apresse. Faça isso quando tiver tempo para examinar sua pele da cabeça aos pés. Use espelhos conforme necessário para verificar suas costas e outros lugares difíceis de ver ou peça a um parceiro ou membro da família para ajudá-lo.

Mas o que deve procurar? As imagens a seguir mostram exatamente como são os diferentes tipos de câncer de pele, além de como diferenciá-los. Aviso: as fotos são explicitas e não belas, mas saber como identificar uma verruga ou uma lesão perigosa pode salvar sua vida.

CARCINOMA BASOCELULAR

É a forma mais comum de câncer e responsável por cerca de 8 de 10 cânceres de pele (American Cancer Society (ACS)). Forma-se nas células basais, que se encontram na parte inferior da epiderme (camada superior da pele). Podem aparecer em qualquer lugar, mas ocorrem mais freqüentemente em áreas do corpo frequentemente expostas à luz ultravioleta (UV). Tende a crescer muito lentamente, raramente se espalha para outras partes do corpo e é perfeitamente tratável.

SINTOMAS

Infelizmente, o carcinoma basocelular é fácil de ignorar porque muitas vezes as pessoas acham que é uma espinha ou feridinha que não cicatriza

• Áreas planas, firmes ou pálidas e amareladas que se assemelham a uma cicatriz
• Pontas ou manchas peroladas, translúcidas ou brilhantes
• Manchas elevadas em vermelho ou rosa que também podem coçar
• Crostas ou feridas que não se curam ou se curam e voltam
• Áreas com exsudações ou crostas que sangram facilmente
• Crescimento de uma protuberância ou lesão ao longo do tempo

É importante notar que os carcinomas basocelulares são muito sensíveis e sangram facilmente após o barbear ou lesões menores. Se o que você acha que é uma espinha ou corte que não cura em aproximadamente uma semana, ou se notar alguma das alterações acima, VÁ AO MÉDICO.



CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS

É o segundo tipo mais comum de câncer de pele, cerca de 2 em cada 10 casos. Esses cânceres se formam nas células escamosas, que são as células planas que perdemos constantemente, na parte externa da epiderme. Comumente aparecem em partes do corpo expostas ao sol, incluindo face, orelhas, pescoço, lábios e parte de trás das mãos. Embora esse tipo de câncer possa se espalhar para outras partes do corpo, isso não é típico e é fácil de tratar quando diagnosticado precocemente.

SINTOMAS

Semelhante ao carcinoma basocelular, também tendem a se manifestar como inchaço ou mancha rosa ou vermelha que não desaparece, No entanto, geralmente não são perolados ou brilhantes.
Também podem crescer parecendo um remendo plano ou se tornar maiores e nodulares

• Manchas ásperas ou escamosas
• Saliências que podem ter uma área inferior no centro
• Feridas ou crostas que não curam ou curam e voltam
• Podem parecem verrugas
• Coceira, sangramento, crostas ou dor



MELANOMA

É uma forma rara de câncer de pele (representa apenas 1% de todos os cânceres de pele), mas é o mais mortal, pois se espalha facilmente para outras partes do corpo quando não detectado precocemente.
Surge do crescimento descontrolado dos melanócito, células responsáveis pela produção de pigmento na pele.

SINTOMAS

Use o método ABCDE

• Assimetria: As duas metades da lesão são iguais? As lesões de melanoma podem aparecer assimétricas, enquanto as simples verrugas são tipicamente simétricas.
• Borda: Verrugas com bordas irregulares, recortadas ou mal definidas podem ser melanoma. As normais têm bordas regulares e nítidas.
• Cor: Os melanomas tendem a ser multicoloridos: preto, marrom, vermelho, azul ou até mesmo sem cor. Verrugas tem, tipicamente, uma ou no máximo 2 cores, e essa cor é uniformemente distribuída, ao contrário do melanoma.
• Diâmetro: se uma verruga tiver mais de 6 milímetros de diâmetro VÁ AO MÉDICO
• Evolução: Se notar um ponto que está mudando de algum jeito: tamanho, forma, cor, bordas, textura, ou se o local coça ou sangra, VÁ AO MÉDICO.



QUERATOSE ACTÍNICA OU QUERATOSE SOLAR

É uma lesão pré-cancerígena ou pré-maligna. Como outros tipos de câncer de pele, é causada por muita exposição à luz ultravioleta e a maioria das pessoas desenvolve mais de uma área afetada. Alguns (mas não todos) se desenvolvem em câncer de pele de células escamosas, por isso é importante detectar antes que avance.

SINTOMAS

Essas lesões geralmente ocorrem na face, lábios, orelhas, parte de trás das mãos e braços, mas podem se formar em outras áreas expostas à luz ultravioleta.

• Manchas ásperas, secas ou escamosas
• Manchas lisas ou levemente elevadas na camada superior da pele
• Coceira, ardor ou dor
• Tons rosa, vermelho ou marrom variados



CARCINOMA DE CÉLULAS DE MERKEL OU CARCINOMA NEUROENDOCRINO

Embora raro, apenas 2.000 casos são diagnosticados a cada ano, é uma forma perigosa de câncer de pele, pois pode crescer rapidamente e se espalhar para outras partes do corpo.
Este tipo de câncer começa nas células de Merkel, na epiderme, e como estão perto das terminações nervosas, são sensíceis ao toque.
Afeta mais comumente pessoas com mais de 70 anos e homens têm quase 2 vezes mais chances de serem diagnosticados do que mulheres.

SINTOMAS

É mais comum na face, pescoço, braços e pernas, mas pode surgir em qualquer parte do corpo. Embora possa parecer com outros tipos de câncer de pele, há algumas características a serem lembradas:

• Bolotinha rosa, vermelha ou roxa, que pode ser brilhante
• Crescimento rápido e indolor, firme ao toque
• Topo pode abrir e sangrar




ARTIGO ORIGINAL

terça-feira, 11 de junho de 2019

CONHEÇA O DINHEIRO POR TRÁS DO MOVIMENTO PELA NEGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

QUASE UM BILHÃO DE DOLARES POR ANO ESTÁ FLUINDO PARA O MOVIMENTO ORGANIZADO CONTRA AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS


Traduzi o artigo na íntegra, sendo que o original está no final

A esmagadora maioria dos cientistas, órgãos governamentais internacionais, institutos de pesquisa relevantes e sociedades científicas, concordam que a mudança climática é real, que é um problema, e que provavelmente devemos fazer algo sobre isso agora e não mais tarde. No entanto, por alguma razão, persiste, na mente de algumas pessoas, a idéia de que a mudança climática está em debate, ou que a mudança climática não é lá grande coisa.

Na verdade, não é "por algum motivo" que as pessoas estão confusas. Há um motivo muito óbvio. Há um movimento de negação da mudança climática bem-financiado e bem orquestrado, por pessoas poderosas com bolsos muito profundos. Em um estudo novo e incrivelmente minucioso, o sociólogo Robert Brulle, da Universidade Drexel, deu um mergulho profundo na estrutura financeira dos negadores climaticos, para ver quem está segurando os cordões da bolsa.

De acordo com a pesquisa de Brulle, os 91 think tanks e organizações de advocacia e associações comerciais que compõem a indústria americana de negação climatica, despejam quase um bilhão de dólares por ano, dinheiro usado para influenciar a opinião pública sobre mudanças climáticas e outras questões. (Conservative groups spend up to $1bn a year to fight action on climate change
clique aqui)

“O esforço anti-clima tem sido largamente subscrito por bilionários conservadores, muitas vezes trabalhando através de redes de financiamento secretas. Eles deslocaram as corporações como principais apoiadores de 91 grupos de reflexão, grupos de defesa e associações industriais que trabalharam para bloquear a ação na mudança climática.”
(Robert Brulle: Inside the Climate Change “Countermovement” clique aqui)

"É assim que indivíduos ou corporações ricas transformam seu poder econômico em poder político e cultural.Eles usam seus lucros para contratar pessoas para escrever livros a dizerem que a mudança climática não é real. Pagam celebridades para ir à TV dizer que a mudança climática não é real. O fato é que as pessoas sem poder econômico não têm a mesma voz que as pessoas que têm tal poder, o que acaba distorcendo a democracia.”

O movimento anti climatico tem duas raízes: Uma é no movimento conservador em si, em que se vêm um monte de fundações conservadoras que vinham financiando o crescimento do movimento conservador o tempo todo e agora aparecem como financiamento do contra-movimento climático, assim como fundações de indústrias.

Portanto, é uma combinação de filantropia industrial e conservadora que está financiando esse processo, e o que eles fizeram foi tomar emprestada uma grande parte da estratégia e táticas que surgiram dos esforços da indústria do tabaco para impedir a disseminação dos efeitos do tabagismo sobre a saúde (agnotologia, ou o estudo da ignorancia culturalmente induzida - clique aqui), e agora estão sendo aplicadas ao movimento da mudança climática e, de fato, algumas das mesmas pessoas e algumas das mesmas organizações que foram envolvidos na questão do tabaco também estão envolvidas na mudança climática.

Veja de onde vem o dinheiro:



O movimento pela negação do clima é uma força política poderosa, e só pode ser, para compensar, na opinião pública, as opiniões de praticamente todos os cientistas relevantes.

Tendo o atraso e a confusão como seus objetivos, o CCCM dos EUA tem sido bastante bem sucedido nas últimas décadas. No entanto, os principais atores desse conflito cultural e político não são apenas os “especialistas” que aparecem nos holofotes da mídia. As raízes da negação da mudança climática são mais profundas, porque os esforços dos indivíduos foram financiados e dirigidos por organizações que recebem apoio de fundações e financiadores conhecidos por seus compromissos gerais com causas conservadoras. Assim, para entender completamente a oposição à legislação sobre mudanças climáticas, precisamos nos concentrar nos esforços institucionalizados que construíram e mantêm essa campanha organizada.

Assim como em um show teatral, há estrelas no centro das atenções, no drama da mudança climática,que são,freqüentemente, cientistas proeminentes ou políticos conservadores. No entanto, eles são apenas as partes mais visíveis e transparentes de uma produção maior.

Apoiando esse esforço estão diretores, roteiristas e, o mais importante, uma série de produtores, na forma de fundações conservadoras. Esclarecer a dinâmica institucional do CCCM pode ajudar nossa compreensão de como a mudança climática antropogênica se tornou uma controvérsia, e não um fato científico.

Meet the Money Behind The Climate Denial Movement
clique aqui


quinta-feira, 6 de junho de 2019

SOCIOPATAS E NARCISISTAS. QUAL A DIFERENÇA?

Nos tempos que correm, ambos os têrmos tem sido usados a torto e a direito, em todas a formas de mídia, em conversa de bar, whatsapp e facebook, sem critério ou razão, mais como forma de xingamento de desafetos, sejam eles quais forem. E isso é sério, porque banaliza formas extremamente perigosas de comportamento. Parece que todo mundo virou um diagnosticador sem peja, um Dr. House de transtornos mentais (e se prestarem atenção na série, verão que ele encarna o exemplo típico e acabado de narcisista, e sim, fui fã de carteirinha e pom pom da citada série). Também tenho uma dificuldade enorme de aceitar esses transtornos da personalidade como distúrbios mentais, dado que essas pessoas conseguem controlar seu comportamento a depender das vantagens que queiram conseguir.Verdade que esse contrôle é de curta duração, mas existe.

Explico: alguém com esquizofrenia, não consegue decidir como, quando ou se vai ouvir as vozes em sua cabeça, não tem qualquer controle sobre o assunto, enquanto um sociopata/narcisista que arrebenta a cara da mulher porque ela fez sabe Deus o que, que ele considerou inadequado, não faz a mesma coisa com seu chefe no escritório quando o mesmo lhe torra a paciência. E finalmente, porque a coisa não é um bloco, mas sim, tal qual no autismo, segue um espectro, onde há mais um menos características, mais ou menos pronunciadas. Assim, se quiserem mesmo um bom diagnóstico, aconselho fazer o MMPI (Minnesota Multiphasic Personality Inventory- Inventário de Personalidade Multifásico de Minnesota), que é um exame psicológico que analisa os traços da personalidade e as psicopatologias.

O QUE É UM DISTURBIO DE PERSONALIDADE

É um tipo de transtorno mental no qual há um padrão rígido e insalubre de pensar, funcionar e se comportar. Uma pessoa com um transtorno de personalidade tem dificuldade em perceber e se relacionar com situações e pessoas. Isso causa problemas e limitações significativas nos relacionamentos, atividades sociais, trabalho e escola.

Geralmente, a pessoa em questão não percebe que tem um distúrbio, porque sua maneira de pensar e se comportar lhe parece natural, usualmente culpando os outros, o mundo, a sociedade, qualquer coisa, pelos desafios que enfrenta.
Os distúrbios de personalidade geralmente começam na adolescência ou início da idade adulta.
São agrupados em 3 grupos, baseados em características e sintomas semelhantes, sendo que, geralmente, quem tem um transtorno de personalidade também têm sinais e sintomas de pelo menos outro adicional.

CLUSTER A

Nesse grupo, os transtornos são caracterizados por pensamentos ou comportamentos estranhos e excêntricos. São eles:
Transtorno de personalidade paranoide
Transtorno de personalidade esquizóide
Transtorno de personalidade esquizotípica.

CLUSTER B

Neste grupo, os distúrbios são caracterizados por pensamentos ou comportamentos dramáticos, excessivamente emocionais ou imprevisíveis. São eles:

Transtorno de personalidade anti-social
Transtorno de personalidade histriônica
Transtorno de personalidade narcisista.
Transtorno de personalidade limítrofe


CLUSTER C

Este grupo é caracterizado por pensamentos ou comportamentos ansiosos e medrosos. São eles:

Transtorno de personalidade esquiva,
Transtorno de personalidade dependente
Transtorno de personalidade obsessivo-compulsiva.

Nosso foco, portanto, é o cluster B

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE ANTI-SOCIAL

Otros nomes: Psicopatia, Sociopatia, Personalidade Dissocial, Insanidade Moral (Pritchet 1835: forma de "desarranjo mental" no qual as faculdades intelectuais estão intocadas, mas os princípios morais são "depravados ou pervertidos", e o indivíduo é incapaz de "conduzir-se com decência e propriedade nos negócios e na vida"), inferioridade psicopática (Koch (1891: estados anormais de comportamento como resultado de uma "inferioridade congênita ou adquirida da constituição cerebral")

• Desconsiderar as necessidades e/ou sentimentos dos outros
• Mentir, roubar, enganar os outros
• Problemas recorrentes com a lei
• Repetida violação dos direitos dos outros
• Comportamento agressivo, muitas vezes violento
• Desrespeito pela segurança de si e/ou dos outros
• Comportamento impulsivo
• Consistentemente irresponsável
• Falta de remorso

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE NARCISISTA

• Crença de que é especial e mais importante que os outros
• Fantasias sobre poder, sucesso e atratividade
• Não reconhecer as necessidades e sentimentos dos outros
• Exagero de conquistas ou talentos
• Expectativa de constante elogio e admiração
• Arrogância
• Expectativas irracionais de favores e vantagens, muitas vezes aproveitando-se dos outros
• Inveja dos outros ou crença de que os outros o invejam

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE HISTRIÔNICA

• Constante busca de atenção
• Excessivamente emocional, dramático ou sexualmente provocativo para ganhar atenção
• Discurso drastico, com opiniões fortes, mas com poucos fatos ou detalhes de apoio à opinião emitida
• Facilmente influenciado por outros
• Emoções superficiais e rapidamente mutantes
• Preocupação excessiva com a aparência física
• Pensa e inveja relacionamentos sobre os quais pouco ou nada conhece

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE LIMÍTROFE (Borderline)

• Comportamento impulsivo e arriscado, como sexo inseguro, jogos de azar ou compulsão alimentar
• Auto-imagem instável ou frágil
• Relações instáveis e intensas
• Humor extremamente flutuante, muitas vezes como reação ao estresse interpessoal
• Comportamento suicida ou ameaças de auto-agressão
• Intenso medo de ficar sozinho ou ser abandonado
• Sentimentos contínuo de vazio
• Explosões de raiva freqüentes e intensas
• Paranóia relacionada ao estresse que vem e vai

Dá para perceber que os Transtornos Anti-sociais, Narcisistas e Histrionicos, tem muito em comum, pois que causam danos a si mesmos ou aos outros, ou causam múltiplas perdas e fracassos na vida, como perder empregos ou relacionamentos importantes, ou fracassar na escola. Essas pessoas se valorizam muito e acima dos demais, não enxergam nada além do própio umbigo, que é seu centro de atenção, isto é, só reconhecem o que querem e precisam, considerando necessidades, desejos, vontades e sentimentos dos outros como secundários ou simplesmente sequer os percebem ou levam em consideração.

Por outro lado, também podem ser carismáticos e encantadores, sempre e quando isso lhes trouxer alguma vantagem, podendo ligar ou desligar tais atributos à vontade.
Muitos pesquisadores da área consideram não ser sequer muito importante o diagnóstico diferencial entre os 3 distúrbios.

Narcisista é, essencialmente, um auto-obcecado, isto é, alguém que tem um alto nível de confiança e crença em si mesmo, mas de uma forma muito prejudicial, a ponto de distorcer seu senso de realidade sobre si mesmo, sobre as outras pessoas e sobre o mundo ao seu redor. Isso faz com que tenha um comportamento manipulador e explorador, porque prioritiza suas próprias necessidades acima das de qualquer outra pessoa.
Para ser diagnosticado com transtorno de personalidade narcisista, há que ter um senso exagerado de auto-avaliação, ter metas baseadas apenas em obter a aprovação dos outros, estabelecer padrões pessoais elevados e sem propósito, ser antagônico, demonstrar sentimentos de direito, fazer tentativas excessivas de atrair e ser o foco da atenção, e manter firmemente a crença de que é melhor do que o resto do mundo. Não é uma fase ou um humor, é uma desordem vitalícia.
Acima de tudo, é preciso que o narcisista se sinta a coisa mais importante que já existiu. Isso geralmente vem de uma profunda insegurança interna, mas ocasionalmente, acontece porque a pessoa nasceu e foi criada de forma extremamente privilegiada, sem nunca ter sido exposta à ideia de que outras pessoas são importantes. O melhor exemplo que tenho (e no caso é uma bela mistura de narcisismo, psicopatia familiar e histrionismo), é o caso de Ethan Couch, que ficou conhecido como “adolescente do previlégio” pois, durante seu julgamento por matar 4 pessoas e ferir algumas outras mais enquanto dirigia bêbado, um psicólogo sugeriu que crescer com dinheiro poderia tê-lo deixado com problemas psicológicos, ou seja, rico demais para aprender a diferença entre certo e errado. Atraiu mais atenção ainda quando ele e sua mãe, Tonya Couch, fugiram para o México num esforço para escapar de uma possível prisão. Já, a acima citada mãe, está de volta à cadeia, pois foi pega usando psicotrópicos.

Considerando que um narcisista pode ocasionalmente prejudicar as pessoas como consequência de sua auto-priorização, o dano que eles causam aos outros geralmente não é intencional, sendo frequentemente consequência de sua auto-obsessão, e não o que os impulsiona.

Um sociopata, por outro lado, essencialmente tem prazer em ferir outras pessoas e/ ou estabelecer uma relação de poder sobre os demais.

Isso não significa que todo sociopata é um serial killer. Na verdade, é mais comum um sociopata ser motivado pela necessidade de controlar e manipular outras pessoas, de danificá-las de alguma forma e ganhar dinheiro e poder. São mais propensos a estar em uma relação parasitária ou controladora / abusiva com um parceiro romântico, envolverem-se em atividades arriscadas como drogas, jogo e sexo promíscuo, sabotar seus colegas no trabalho, e realizar esquemas de fraude financeira.
São egocêntricos, agem com base em sua gratificação pessoal, não tem empatia, são incapazes de intimidade, são manipuladores, enganosos, insensíveis e impulsivos. Um sociopata é alguém que, em um nível biológico, não tem consciência dos sentimentos dos outros e não está interessado nas regras de ninguém. Costumam ser muito mais charmosos e empolgantes do que a maioria dos narcisistas, cujo charme é mais superficial. Por causa da falta de empatia, os sociopatas sentem pouco ou nada quando machucam ou tiram vantagem dos outros.
Os sociopatas são especialmente perigosos porque muitas vezes empreendem grandes esforços para esconder sua verdadeira personalidade e parecer simpáticos, enquanto um verdadeiro narcisista não consegue esconder o que é.

Dadas as suas maquinações psicológicas, é improvável que alguém diagnosticado com transtorno de personalidade narcisista ou transtorno de personalidade anti-social pense que precisa ou procure ajuda. Para complicar um pouco mais, usualmente o sociopata também carrega consigo inúmeros traços narcisistas.

Quanto a tratamento, não há qualquer medicação específica a ser usada, e a única possibilidade é a psicoterapia, a qual, na maioria das vezes é ineficaz, a não ser que a pessoa consiga admitir que é ela mesma que contribui e/ou provoca seus própios problemas.

A psicoterapia ajuda nas seguintes áreas:
O aprender a se relacionar melhor com os outros para que os relacionamentos sejam mais íntimos, agradáveis e gratificantes
Entender as causas das própias emoções
As áreas de mudança são direcionadas para ajudar a aceitar as próprias responsabilidades e aprender a aceitar e manter relacionamentos pessoais reais e colaborativos, reconhecer e aceitar a própria competência e potenciais reais para poder vir a tolerar críticas ou falhas, aumentar a propria capacidade de entender e regular os sentimentos, compreender e tolerar o impacto de questões relacionadas à auto-estima, largar o desejo por objetivos inatingíveis e condições ideais e obter uma aceitação do que é atingível e do que é possivel realizar.

Infelizmente, como é muito mais fácil (e prazeiroso), achar um inimigo externo para culpar pelas nossas mazelas, o índice de sucesso no tratamento da maioria dos distúrbios da personalidade é baixissimo.

Agora, se querem mesmo entender o que é a psicopatia, sugiro o antiquissimo e sempre atual “A Máscara da Sanidade” de Hervey M. Cleckley, e para Narcisismo, “O Mínimo Eu” de Christopher Lash. E no mais, é só seguir o noticiario.


BIBLIOGRAFIA

Antisocial Personality Disorder: Treatment, Management, and Prevention
clique aqui

Epidemiology, Comorbidity, and Behavioral Genetics of Antisocial Personality Disorder and Psychopathy clique aqui


Ethan Couch, ‘Affluenza Teen’ Who Killed 4 While Driving Drunk, Is Freed clique aqui

Interventions for people with antisocial personality disorders and associated symptoms and behaviors clique aqui

Psicopatia: o constructo e sua avaliação clique aqui

Tonya Couch, the mother of 'affluenza' teen Ethan Couch, is back in jail clique aqui