Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2013

AOS MEUS QUERIDOS GOZADORES

Imagem
Desde que espalhei a idéia de que estou fazendo mestrado em psicologia positiva, tenho recebido gozações e comentários de amigos e colegas, mais ou menos do tipo:

"Você??? Como assim? Você sempre foi séria na área"
"O que foi que aconteceu? Da neurologia à bobeirinha?" (bobeirinha foi minha tradução graciosa a uma coisa nada graciosa em inglês)
"Mas, agora não entendo! Você sempre criticou autoajuda e essas coisas!" (Informo que não critiquei, só expliquei porque, a fim e a cabo, absolutamente não funciona)
.

E outras na mesma linha. Então, porque sou basicamente preguiçosa para explicar repetidamente, faço-o de uma vez só, no blog, e vou avisar a todos meus gozadores a lerem.

Primeiro começo dizendo o que Psicologia Positiva NÃO é:

Autoajuda do tipo compre meus livros e seja feliz - Culto Religioso de qualquer espécie - Modismo do tipo aprender um segredo que vem sendo passado por séculos de um gênio a outro, ou outra frescurinha new age - Versão reciclada…

VIOLÊNCIA E DOENÇAS MENTAIS

Imagem
Os doentes mentais são violentos? São mais violentos que o resto da população? São um risco para a segurança pública?

Essas questões têm permeado o debate, tanto entre profissionais da área quanto entre público leigo, em torno da relação entre violência e doença mental. Para o post de hoje, vou usar o termo "violência" apenas como atos de violência física contra outrem, já que esse extremamente resumido significado é o que mais gera medo entre o público em geral, e é um dos maiores determinantes da discriminação e estigma social sofridos pelos doentes mentais.

Também usarei o epíteto "doença mental" somente para distúrbios mentais não relacionados a uso de substâncias psicoativas, tais como esquizofrenia e depressão, pois distúrbios mentais relacionados a uso de substâncias vão ser identificados e discutidos separadamente, como fatores de risco.

Em geral, e graças ao trabalho incessante de Hollywood e da mídia histérica, a associação, pelo menos na cabeça do públic…

NOSSO CÉREBRO É UMA FARRA OU 5 FATORES BIZARROS QUE SECRETAMENTE INFLUENCIAM NOSSAS OPINIÕES

Imagem
Esta é a tradução de um artigo, cujo link para o original está no final. O que estiver entre parênteses, é opinião minha e o autor não tem nada a ver com isso, além do que, a tradução é bem livre.

De muitas formas, nossas opiniões nos definem. Gritamos em maiúsculas nas mídias sociais, gastamos nosso tempo em discussões com o colega de trabalho porque ele prefere a marca errada de telefone, perdemos tempo tentando enfiar "as ideias certas" na cabeça dos outros com "ideias erradas". Apesar disso tudo, o pessoal de vendas e cientistas sabem que nossas opiniões não são tão constantes quanto acreditamos. A cada dia, dezenas de coisas estranhas e aparentemente insignificante torcem nossas preferências. Se não acreditar, veja abaixo:

A TEMPERATURA AFETA NOSSO GOSTO POR FILMES Se der uma olhadinha na lista dos filmes românticos mais populares, vai notar algo esquisito: metade da lista dos 10 maiores sucessos foi lançada, nos Estados Unidos, em Novembro ou Dezembro (invern…

VIOLÊNCIA E APRENDIZADO

Imagem
Violência e/ou o medo dela têm sérias implicações em termos de desempenho, frequência e graduação escolar.
A presença da violência impacta não apenas os indivíduos que a cometem ou sofrem, mas também todas as instituições e a comunidade, interferindo com o aprendizado e sucesso nos estudos.

Embora as estatísticas abaixo sejam todas americanas, dado que não achei nada parecido no Brasil, tenho certeza que podem ser extrapoladas, pois, infelizmente, temos a triste tendência de copiar os piores hábitos dos hermanos aqui do norte. Então vamos aos fatos:

Um em cada 4 estudantes do ensino fundamental e médio é vítima de violência na escola ou em torno da mesma. (1)
Medo, na escola e na comunidade, tem efeitos mensuráveis sobre a frequência escolar,
o comportamento e as notas (2)


Crianças no início do ensino fundamental, e que tem história de exposição à violência ou dela são vítimas, têm, em média, 7 pontos a menos na medida de QI (quociente de inteligência) e maior dificuldade em aprender a…