domingo, 12 de agosto de 2018

ESTUDOS DA MENTALIDADE DE MASSA, OU PARA O MUNDO QUE EU QUERO DESCER.

Charles-Marie Gustave Le Bon foi um francês politudo. Formado em medicina, jamais a exerceu, pelo menos da forma clássica, enquanto seus interesses espalharam-se pela antropologia, psicologia, sociologia, invenções variadas e física. Seu livro mais conhecido, é Psychologie des Foules (The Crowd: A study of the Popular Mind- Psicologia das Multidões), considerada a obra seminal da Psicologia das Massas. Isto em 1895.

E neste momento histórico, de pós verdades e fatos alternativos, o povo assustado, de neurocientistas a sociologos, historiadores, academicos das mais variadas linhas se perguntando , não só como foi que isso aconteceu, mas como diabo parar tal trem descarrilhado, velho Le Bon surge citado mais que a Kardashian, que até hoje não sei porque é famosa.

Esse fenômeno populista, que usa medo e desinformação como munição, não está restrito aos USA. Está espalhado e crescendo. Ou como disse um cômico famoso: “1984, do Orwell, era para ser um sinal de alerta. Virou manual de instrução.”



Vimos o mesmo fenômeno com com o Brexit; na Alemanha com a ascensão das Alternativas for Deutschland, partido ativamente euro-cético, e, pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, há nacionalistas no parlamento alemão; aconteceu com as recentes eleições italianas, onde todos os partidos do establishment foram expulsos e em seu lugar voltou o
Movimento Cinco estrêlas e a Liga (forças políticas euro-céticas, anti-imigração)

Isso não é coincidência.

Em 1984, Yuri Alexandrovich Bezmenov, ex espião russo que se safou para o Canadá em 1970, durante uma entrevista, levantou pontos interessantissimos. Disse ele: “Há um plano, de longo prazo, colocado em prática pela Rússia para derrotar a América através da guerra psicológica e da "desmoralização. É um jogo longo que leva décadas para ser alcançado e não envolve espionagem. Sua maior parte, 85%, é um processo lento de subversão ideológica, medidas ativas ou guerra psicológica. O que basicamente significa é: mudar a percepção da realidade das pessoas, de tal forma que, apesar da abundância de informações, ninguém é capaz de chegar a conclusões sensatas no sentido de auto defesa ou defesa de suas famílias, de sua comunidade e de suas país.É uma grande lavagem cerebral que tem 4 estágios básicos: 

1- DESMORALIZAÇÃO: leva de 15 a 20 anos para dar resultados.É o número mínimo de anos necessários para reeducar uma geração normalmente exposta à ideologia de seu país. Em outras palavras, o tempo que leva para mudar o que as pessoas estão pensando. É um processo irreversível, porque, depois de completado,as pessoas não conseguem mais mudar de idéia, mesmo quando expostas a informações autênticas. Mesmo se for provado que branco é branco e preto é preto, não se pode mudar a percepção básica e a lógica do comportamento.

2- DESESTABILIZAÇÃO: (2 a 5 anos). Aqui o que importa é o direcionamento dos elementos estruturais essenciais de uma nação: economia, relações exteriores e sistemas de defesa. Basicamente, o subversor procura desestabilizar cada uma dessas áreas no pais alvo, enfraquecendo-o consideravelmente.

3-CRISE: é rápida, apenas seis semanas. A crise traz uma mudança violenta de poder, estrutura e economia e é seguida pela última etapa, 

4-NORMALIZAÇÃO: é quando o país é basicamente tomado, vivendo sob uma nova realidade e ideologia.


Perfeito. Porém tudo o acima, para poder acontecer, depende do que Le Bon descreveu, e que resumo:

1- MULTIDÕES TORNAM POSSIVEL O IMPOSSIVEL
O improvável não existe para uma multidão, o que explica a facilidade com que são criadas e propagadas as lendas e histórias mais improváveis.
As multidões, sendo incapazes tanto de reflexão quanto de raciocínio, são destituídas da noção de improbabilidade; pois, de modo geral, as coisas mais improváveis é que são mais impressionantes.
Multidões só são capazes de pensar em imagens e só se impressionam com imagens. São apenas as imagens que os aterrorizam ou atraem e se tornam motivos de ação.
Assim, se a multidão é incapaz de distinguir entre o improvável e o provável, e as imagens que associa à improvável ação de invocação, então coisas estranhas vão acontecer.

2- MULTIDÕES CRIAM IMPULSO
 O indivíduo que faz parte de uma multidão adquire, apenas por considerações numéricas, um sentimento de poder invencível que lhe permite ceder a instintos que, se estivesse sozinho, teria que reprimir.
Uma multidão não está preparada para admitir que existe algo entre seu desejo e a realização do mesmo.
 A sensação de fazer parte de um movimento maior do que o indíviduo, proporciona uma confiança inabalável. Quando aplicada a atividades especulativas, manifesta-se na confiança inabalável da multidão, não importando quão horrivel seja o resultado. 

3-ESTA É A ERA DAS MULTIDÕES
 Os destinos das nações são elaborados, atualmente, no coração das massas e não mais nos conselhos dos príncipes.

4- HIPNOTISMO E FASCINAÇÃO
 Um indivíduo imerso por algum tempo numa multidão em ação, vai se encontrar (seja em conseqüência da influência magnética da multidão, ou de alguma outra causa ainda desconhecida), num estado especial, que muito se assemelha ao estado de fascinação no qual o indivíduo hipnotizado fica  nas mãos do hipnotizador. Estando a atividade cerebral paralisada, no caso do sujeito hipnotizado, este se torna escravo de suas atividades inconscientes, que o hipnotizador dirige à vontade. A personalidade consciente desapareceu inteiramente; vontade e discernimento estão perdidos. Todos os sentimentos e pensamentos são dobrados na direção determinada pelo hipnotizador.
Do ponto de vista intelectual, pode existir um abismo entre um grande matemático e um sapateiro, mas do ponto de vista do caráter a diferença é, na maioria das vezes, leve ou inexistente.
São precisamente essas qualidades gerais de caráter, governadas por forças das quais somos inconscientes, e possuídas pela maioria dos indivíduos normais de uma raça quase no mesmo grau,são precisamente essas qualidades que, em multidões se tornam propriedade comum.
 Ou seja, se sucumbirmos à multidão, estamos danados, não importando sermos PhD ou faxineiros. Qualquer vantagem intelectual que se tenha ganho durante anos estudando,desaparece. A multidão é um nivelador, composto de elementos comuns, não distinguidos.

5- RESISTA, É POSSIVEL
Seja Científico: Permaneça Desassociado dos Resultados
A multidão psicológica é um ser provisório formado de elementos heterogêneos, que por um momento são combinados, exatamente como as células do corpo,que, por sua união, formam um novo ser que exibe características muito diferentes daquelas possuídas por cada uma das células isoladamente.
A única alternativa possivel para não sucumbir ao canto de sereia da multidão é o método científico (isto é, criação e teste de hipóteses repetidas). Nesse sentido, os resultados são de pouca importância, é a disciplina do processo que importa.

The Crowd: A study of the Popular Mind   LEIA ORIGINAL AQUI

E a constante destruição do pensamento crítico, ou científico, como queiram, que vem num crescendo desde a invenção da TV, alcançando seu ápice com a Internet, é fenômeno evidente. Bombardeio dioturno de imagens. Vi há poucos dias no FB um filminho “contra o aborto”, que mostrava um feto sofrendo durante tal intervenção. É impactante, chocante, horrivel. Completamente  apaga as perguntas óbvias:
1-    Como e porque haveria alguém de filmar o próprio aborto?
2-    Se está praticando tal coisa, porque mostrar ao mundo quão horrível é o ato que está praticando?

Isso sem contar que, mesmo ao nascimento, nosso córtex cerebral para dor não está desenvolvido, posto que, se estivesse, ninguém sobreviveria ao nascimento.

Imaginem o seguinte: lá está o fetinho bem tranquilo dentro de um líquido , quando, de repente, esse liquido se esvai, sua cabeça é enfiada num tubo bem menor que a mesma, fazendo com que os ossos cranianos se acavalem, senão não passa. No que começa a sair para o mundo, os pulmões, que estavam colabados, já que não se respira detro de água, se expandem (é o tal choro do bebê, com o qual fica todo mundo feliz), o buraco entre as 2 partes do coração se fecha, e a circulação, que era venosa, passa a ser arterial. Isso sem contar a luz atacando os olhos, que até o momento, fechadinhos estavam. E esta é a descrição de um parto perfeitamente normal, daqueles nos quais a criança, segundo a velha piada de meus tempos de estágio na obstetrícia, a criança nasce com, sem ou apesar do medico.

E caso alguém se levante em armas achando que sou propositaria do aborto, vou avisando que uma coisa nada tem a ver com outra, foi só a melhor analogia que encontrei para o que é pensamento crítico.

Só resistindo a meu modo

E la nave vá…


domingo, 5 de agosto de 2018

A ADORAÇÃO A FALSOS ÍDOLOS. DESTA VEZ É O “BEM ESTAR” (WELLNESS)

Tradução do artigo da Dra. Dr. Jen Gunter (ARTIGO ORIGINAL)

“Carvão, “toxinas” e outros disparates são a espinha dorsal do complexo industrial do bem-estar.

Antes de prosseguirmos, gostaria de esclarecer uma coisa: o bem-estar não é o mesmo que medicina.

Medicina é a ciência que se oucupa em reduzir morte e doenças, além de procurar proporcionar vidas longas e saudáveis.
Bem-estar costumava significar uma mistura de saúde e felicidade. Algo que nos faz sentir bem ou alegre, e não algo prejudicial, coisas assim como uma massagem ou uma caminhada na praia.

Mas a coisa mudou muito, e agora “bem estar”tornou um falso antídoto para o moderno medo da vida e da morte.
A indústria do bem-estar adota a terminologia médica, como “inflamação” ou “radicais livres”, e a leva ao ponto de incompreensão. O produto resultante é um remédio tipo “faça você mesmo”para a longevidade, e que vem com uma dose de fé tão absoluta, que a ciência só pode aspirar a alcançar.

Vamos usar como exemplo a tendência de adicionar uma pitada de carvão ativado à comida ou bebida. Embora a cor preta seja surpreendentemente inesperada e sedutora ( tipo o “pequeno vestido preto”que serve para todas as ocasiões), o pretinho é vendido como suposta "desintoxicação".
Adivinha só? Tem a mesma eficácia que um feitiço de sua bruxa local.

Talvez seja uma questão de estética. Poções de bem-estar em belos frascos com ingredientes não testados e de pureza desconhecida, são praticamente embalados para fotos no Instagram.

Também quero esclarecer o que realmente são toxinas: substâncias nocivas produzidas por algumas plantas, animais e bactérias (e, para elas, carvão não é cura).

"Toxinas", como definido pelos mascates dessas curas duvidosas, são os eflúvios nocivos da vida moderna que supostamente vagam pelos nossos corpos, causando inchaço na barriga e nevoeiro cerebral, como um microscópico Emmanuel Goldstein de "1984" de George Orwell.
Sem estas toxinas, não pode haver busca de pureza: tampões “limpos”, comida “limpa”, maquiagem “limpa”. Há também atos sagrados e rituais a serem seguidos, e se você tiver desbloqueado o nível correto de realização, liberará sua deusa interior.

Medicina e religião há muito tempo estão profundamente interligadas, e é relativamente recente sua separação. O complexo industrial de bem-estar busca ressuscitar essa conexão. É como um retrocesso médico, como se os dias tranquilos de saúde fossem cinco mil anos atrás. Antigos rituais de limpeza com um toque moderno: suplementos, produtos inúteis e testes sem qualquer suporte cientifico.

Os suplementos alimentares, que constituem a espinha dorsal do bem-estar, representam um negócio de US $ 30 bilhões por ano, apesar dos estudos mostrarem que não têm valor algum para a longevidade (apenas algumas vitaminas provaram benefícios médicos, como o ácido fólico antes e durante a gravidez e vitamina D para idosos que estão a risco de quedas). A medicina moderna quer que você obtenha seus micronutrientes de sua dieta, que é indiscutivelmente a fonte mais natural possivel.

No entanto, o complexo industrial de bem-estar conseguiu perverter essa narrativa e tornar os suplementos uma ferramenta necessária para práticas absurdas, como impulsionar o sistema imunológico ou combater a guerra contra a inflamação.
A urina amarela fluorescente resultante dos multivitamínicos pode fornecer uma falsa sensação de eficácia, mas é ouro de tolo (e a consequência do excesso de B2 que não é absorvido).

Então, qual é o dano, além de jogar dinheiro fora, em carvão para toxinas inexistentes ou vitaminas para ter urina amarelo atômico ou lençóis caros de algodão granulado (seja lá o que isso for), para melhor conexão aos elétrons da Terra?

Veja o que: o efeito placebo ou "tentar algo natural" pode levar as pessoas com doenças graves, a adiar cuidados médicos eficazes. Todos os médicos que conheço têm mais de uma história sobre um paciente que morreu porque eles tentaram alcalinizar seu sangue ou apostaram em vitaminas intravenosas.para tratar cancer. Estão surgindo mais e mais dados de pacientes com câncer que optam por práticas médicas alternativas, muitas delas promovidas por empresas que vendem produtos de valor questionável, têm maior probabilidade de morrer.

A venda contínua do tipo de produto que move as rodas do complexo industrial de bem-estar, exige um fluxo constante de medo e desinformação. Olhe atentamente para a maioria dos sites de bem-estar e seus parceiros médicos, e verá que, na maioria deles, desfila uma infinidade de teorias de conspiração médica: vacinas e autismo, os perigos da fluoretação da água, sutiã e câncer de mama, celulares e câncer no cérebro, envenenamento por metais pesados, AIDS como construção da Big Pharma,só para citar alguns.

A maioria das pessoas pensa que é imune a essas idéias marginais, mas a ciência diz o contrário. Todos nós confundimos repetição com precisão, um fenômeno chamado de efeito de verdade ilusório, e o conhecimento sobre o assunto não necessariamente o protege. Mesmo uma única exposição a informações que pareçam ser quase plausíveis pode aumentar a percepção de precisão.

A crença em teorias conspiratórias médicas, como a idéia de que a indústria farmacêutica está suprimindo curas “naturais”, aumenta a probabilidade de que uma pessoa tome suplementos dietéticos. Então, para continuar vendendo suplementos, tapetes de aterramento, kits de enema de café e outras mercadorias geradoras de receita, eles não podem simplesmente desencadear o medo, há que constantemente atiçar suas chamas.

Não pode haver indústria de bem-estar moderna sem teorias conspiratórias médicas.

Mesmo que você evite completamente esses sites por causa da fraude, as pessoas que passam a acreditar nessa desinformação podem afetar a saúde pública, tanto por não vacinarem suas crianças e a elas mesmas, quanto por votar contra as políticas de saúde baseadas em evidências.

Além disso, como médica, levo isso a sério quando ouço sobre o último surto de sarampo ou quando um amigo gasta dinheiro em uma terapia que possivelmente não pode ajudar. Quando os pacientes pedem um teste sem suporte científico, como quelação de urina ou níveis de hormônio salivar, geralmente promovidos em sites de bem-estar , tenho que explicar que não posso, de boa fé, solicitar um teste inútil. E também não quero que as pessoas morram.

Então, por que as pessoas se voltam para o bem-estar?

Existem sintomas que acredito estarem conosco desde o início dos tempos, tão comuns que provavelmente fazem parte da experiência humana: fadiga, inchaço, baixa libido, dor episódica, perda de vigor. Quando a medicina só pode oferecer uma terapia, não uma cura, ou quando os médicos dão respostas indesejáveis, sugerindo atenção para a higiene do sono, por exemplo, não é difícil ver como a inebriante confiança e o teatro de bem-estar se tornam muito mais sedutores.

A doença médica também é assustadora. Quem não gostaria de tomar vitaminas IV em vez de passar por quimioterapia?

Admito que os médicos podem aprender algo com essa coisa de bem-estar. É claro que algumas pessoas estão procurando curandeiros, por isso precisamos encontrar maneiras, medicamente éticas, de atender a essas necessidades.

Nós, médicos, podemos fazer mais para fornecer informações factuais sobre substâncias perigosas, como substâncias cancerígenas e desreguladoras endócrinas, em produtos e no meio ambiente de locais medicamente controlados, sem produtos para vender, como o Instituto Nacional do Câncer e a Sociedade Nacional de Endocrinologia.

Muitas pessoas, especialmente mulheres, há muito são marginalizadas e negligenciadas pela medicina (tanto que só recentemente se descobriu que mulheres morrem mais do que homens devido a ataques cardíacos, tanto por serem os sintomas diferentes, quanto por elas mesmas não procurarem ajuda medica, ou pelos seus sintomas serem negligenciados pelos medicos que as atendem), mas a resposta não está nas teorias predatórias da conspiração, na falsa religião ou na magia cara.

Em sua forma atual, o bem-estar não está preenchendo as lacunas deixadas pela medicina. Está explorando-as.”