Google+ Badge

terça-feira, 27 de maio de 2014

10 MITOS MUITO PERSISTENTES A RESPEITO DE CÂNCER

Este artigo vem do site “I Fucking Love Science “,

que, apesar do nome na contra mão do que se pensa ciência, é um dos melhores da área (como são ingleses, usaram do tão falado humor deles). Resolvi traduzi-lo por uma questão pessoal. Vejo todo o tempo, famílias se estourando, econômica e emocionalmente, para ir atrás das quimeras que aparecem o tempo todo a respeito de curas milagrosas de câncer. Faria absolutamente o mesmo se estivesse na mesma posição, o que me dá uma raiva danada dos que usam, abusam e enriquecem em cima da busca de esperança. A tradução do artigo, é minha maneira de fazer algo a respeito.

Googla “câncer”e vai achar milhões de páginas. Busca no You tube, e o resultado vai ser mais ou menos o mesmo. O problema é que, a maior parte da informação que lá aparece é, para dizer o mínimo, imprecisa, e embora haja muitos artigos fáceis de entender e baseados em evidências, há o mesmo número, senão mais, espalhando mitos. E pode ser muito difícil distinguir fato de ficção, principalmente quando a informação errônea parece perfeitamente plausível. Mas se arranhar a superfície e olhar para as evidências, muitas 'verdades' continuamente perpetuadas, se esvaem como fumaça em ventania.
Neste artigo, queremos esclarecer as coisas a respeito de 10 mitos a respeito de câncer que encontramos regularmente, baseados em evidências, e não pela retórica ou contos, que descrevem o que a realidade da pesquisa mostra como sendo fato.

(E aqui abro um parágrafo para esclarecer a diferença entre evidência, fato, testemunho e teoria. Evidência, por definição é o corpo disponível de fatos ou informações que indicam se uma crença ou proposição é verdadeira ou válida. Fato: algo que realmente existe, por exemplo, viajens pelo espaço e submarinos, são fato. Agora, porque em 1800, não eram, Júlio Verne que o diga. Uma teoria (científica) é uma hipótese ou grupo delas, que têm sido apoiada com testes repetidos. Se evidência suficiente for acumulada para apoiar uma hipótese, usando o método científico, ela se move para o próximo patamar, tornando-se uma teoria, que é uma explicação válida de um fenômeno conhecido. A lei da gravidade “é só uma teoria”, mas, apesar disso, se cuspir para cima, vai levar de volta no meio da cara.Na lei e na religião, o testemunho é uma declaração solene quanto à verdade da questão. Em ciência, testemunho não tem a menor validade. Quando digo que até o presente momento não tive nenhum problema cardíaco porque tomo uma aspirina infantil todas as noites, a primeira e a segunda parte estão corretas: 1-até agora não tive nenhum problema na área. 2- Sim, tomo uma aspirina infantil todas as noites, mas 2 não justifica 1 porque até agora, só temos enorme evidência de que uma aspirina ao dia, previne a possibilidade do segundo infarto. Evidência zero a respeito de prevenção do primeiro. Tomo por gosto, porque aprendi com meu velho chefe Dr. Greer, e porque acho que me faz bem. Puro testemunho a respeito de aspirina. De maneira geral, quando lerem um artigo pretensamente científico e que começa com: “inúmeros estudos científicos provam que...”sem dizer quais estudos, quem os fez, onde, como e a publicação,pode jogar de lado. Prova é coisa de advogado ou aquilo que a gente faz na escola.)

E vamos aos mitos:

1-O CÂNCER É UMA DOENÇA MODERNA, CRIADA PELO HOMEM.
2-SUPER ALIMENTOS PREVINEM CÂNCER
3-DIETAS ÁCIDAS CAUSAM CÂNCER
4-CÂNCER ESTÁ RELACIONADO COM INGESTA DE DOCES
5-CÂNCER É UM FUNGO E O BICARBONATO DE SÓDIO SUA CURA
6-HÁ UMA CURA MILAGROSA QUE....
7-E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA A ESTÁ SUPRIMINDO...
8-TRATAMENTOS PARA O CÂNCER MATAM MAIS DO QUE CURAM
9-NÃO FIZEMOS QUALQUER PROGRESSO NA CURA DO CÂNCER
10-TUBARÕES NÃO TEM CÂNCER

1-CÂNCER É TÃO VELHO QUANTO A HUMANIDADE
Claro que está mais proeminente na consciência do público agora, do que em tempos passados, mas não é uma doença "moderna" criada por nossa sociedade ocidental. Tem existido desde nossos primórdios.Foi descrito há milhares de anos por médicos egípcios e gregos, e os pesquisadores descobriram sinais indicadores de câncer em um esqueleto de 3.000 anos de idade. E, embora seja verdade que doenças relacionadas a estilo de vida, como o câncer, estejam em franco aumento, também é verdade que o maior fator de risco para câncer é a idade. Simplesmente, o que está acontecendo, é que estamos vivendo mais tempo devido a nosso sucesso em vencer doenças infecciosas e outras causas de morte históricas, como má nutrição ou desnutrição. É perfeitamente normal que nosso DNA sofra danos à medida que envelhecemos, e tais danos podem levar ao desenvolvimento de câncer. Agora, também somos capazes de diagnosticar cânceres mais precisamente, graças aos avanços em triagem, diagnósticos por imagem e patologia. Sim, estilo de vida, dieta e outras coisas, como a poluição do ar, têm um enorme impacto sobre o nosso risco de câncer - tabagismo, por exemplo, está por trás de 1/4 de todas as mortes por câncer no Reino Unido , mas isso não é o mesmo que dizer que é uma doença moderna, causada pelo homem. Há uma abundância de causas naturais de câncer - por exemplo, 1 em cada 6 tipos de câncer em todo o mundo é causado por vírus e/ou bactérias.

2-SUPER ALIMENTOS PREVINEM CÂNCER
Mirtilos, beterraba, brócolis, alho, chá verde ... a lista é longa. Apesar de milhares de sites que afirmam o contrário, não há tal coisa como um "superalimento". É um termo de marketing usado para vender produtos e não tem base científica. Isso não quer dizer que não se deva pensar sobre o que se come. Alguns alimentos são claramente mais saudável do que outros. O mirtilo ou caneca de chá verde certamente podem ser parte de uma dieta saudável e equilibrada. Comer frutas e legumes é uma ótima idéia, e comer uma variedade de vegetais diferentes também é bom, mas, sejam quais forem os legumes específicos que escolher, realmente não tem a menor importancia. Nossos corpos são complexos, assim como o câncer , por isso é simplificação grosseira dizer que qualquer alimento, por si só, poderia ter uma grande influência sobre nossa chance de desenvolve-lo. O acúmulo constante de evidência ao longo de várias décadas aponta para um fato interessantemente simples: a melhor maneira de reduzir o risco de câncer é através de uma série de comportamentos saudáveis a longo prazo, como não fumar, manter-se ativo, manter peso saudável e diminuir a ingesta de álcool.

3-DIETAS ÁCIDAS CAUSAM CÂNCER
O pH do organismo é extremamente bem controlado e a dieta não pode muda-lo. Alguns mitos a respeito de câncer são extremamente persistentes, apesar de serem o oposto da biologia. Um deles é essa história da dieta ácida, tornando o organismo muito ácido, aumentando assim o risco de câncer. A cura: aumente a ingesta de alimentos alcalinos e saudáveis, tipo vegetais verdes e frutas, incluindo, paradoxalmente, limões. Nosso sangue é ligeiramente alcalino, coisa regulada pelos rins, numa variação muito mas muito pequena, e que não pode ser alterado por qualquer quantidade significativa de tempo, pelo que se come. E, enquanto comer vegetais é certamente saudável, não é por causa de qualquer efeito de alcalinização ou acidificação. Existe uma coisa chamada ACIDOSE, condição fisiológica que ocorre quando rins e pulmões não conseguem manter balanceado o pH do organismo. Pode ser mortal e é caso de urgência médica, mas não é causada por dietas ácidas. Sabe-se que o ambiente ao redor de células cancerosas ( o microambiente), pode se tornar ácido. Isto é causado pela diferença na forma com que os tumores criam energia e usam o oxigênio, quando comparados a células saudáveis. Os pesquisadores estão trabalhando duro para entender como isso acontece, para poder desenvolver tratamentos mais eficazes. Apesar disso, não há evidências de que dietas possam manipular todo o pH do corpo ou que isso tenha algum impacto no câncer.

4-CÂNCER ESTÁ RELACIONADO COM INGESTA DE DOCES
Todas as células usam açúcar, não só as cancerosas. Outra idéia recorrente é que o açúcar aparentemente "alimenta as células cancerosas", sugerindo que deva ser completamente banido da dieta do paciente. Esta é uma simplificação inútil de uma área altamente complexa que estamos apenas começando a entender. 'Açúcar' é um termo polivalente. Refere-se a uma variedade de moléculas, incluindo açúcares simples encontrados em plantas, glicose e frutose. O material branco na tigela na sua mesa é chamado de sacarose e é feito de glicose e frutose grudadas. Todos os açúcares são carboidratos, comumente conhecidos como carbs - moléculas feitas de carbono, hidrogênio e oxigênio. Carboidratos – venham eles de um bolo ou de uma cenoura – são “quebrados” em nosso sistema digestivo para liberar glicose e frutose, que são absorvidas pela corrente sanguínea para fornecer energia para que possamos viver. Todas as nossas células, cancerosas ou não, usam a glicose para produzir energia. Como as células cancerosas geralmente crescem muito mais rápido que as saudáveis, têm elevada demanda por este combustível. Há também evidências de que usam a glicose e produzem energia de uma forma diferente das células saudáveis. Os pesquisadores estão estudando para entender as diferenças no uso de energia em cânceres em comparação com as células saudáveis, e tentar explorá-las para desenvolver melhores tratamentos ,incluindo o interessante, mas longe de comprovado DCA. Mas isso não significa que o açúcar de bolos, doces e outros alimentos açucarados alimenta especificamente as células cancerosas, ao contrário de qualquer outro tipo de carboidrato. Nosso corpo não escolhe quais células vão conseguir o combustível. Ele converte praticamente todos os carboidratos ingeridos em glicose, frutose e outros açúcares simples, e eles são usados pelos tecidos quando precisam de energia. Embora seja muito sensato limitar alimentos açucarados, como parte de uma dieta saudável e evitar ganhar peso, isso é muito diferente de dizer que alimentos açucarados especificamente alimentam células cancerosas. Os mito, tanto o da 'dieta ácida "quanto o do" açúcar alimenta câncer”,distorcem os aconselhamentos dietéticos sensatos. E quando se trata de oferecer dicas de dieta, a pesquisa mostra que o mesmo conselho de alimentação saudável chato e antigo, ainda é válido: Frutas, legumes, fibras, carne branca e peixe são bons. Demasiada gordura, sal, açúcar, carne vermelha ou processada e álcool, não são.

(DCA: Dicloro acetato sódico. Tem sido testado, em pequena escala em humanos para raras doenças metabólicas relacionadas à produção de energia, e recentemente mostrou promessas em estudos de laboratório, para tratamento de câncer. No momento, estudos com voluntários humanos estão começando, mas nenhum foi ainda completado, de formas que ainda nada se sabe a respeito. Fonte: American Cancer Society http://www.cancer.org/treatment/treatmentsandsideeffects/complementaryandalternativemedicine/pharmacologicalandbiologicaltreatment/dichloroacetate--dca- )

5- CÂNCER É UM FUNGO E O BICARBONATO DE SÓDIO SUA CURA
Pergunte a qualquer patologista: células cancerosas não são fúngicas.Essa teoria vem de uma observação pouco acurada, de que “cancer é sempre branco”. O problema obvio com essa idéia, fora o fato que cancer não é fungal em sua origem, é que nem sempre é branco. Alguns tumores até podem ser. Pergunte a qualquer patologista ou cirurgião, ou faça uma busca em Google imagens ( melhor não faze-lo após almoço). Os proponentes dessa teoria dizem que o cancer é causado por infecção pelo fungo candida albicans, e que os tumores são a tentativa do organismo de se proteger contra a infecção. Não há qualquer evidência da veracidade desta afirmação. Além disso, montanhas de pessoas perfeitamente saudáveis podem estar infectados por candida, que faz parte dos muitos micróbios que vivem em nós ou a nosso redor. Usualmente, nosso sistema imunológico mantém a candida em seu devido lugar, mas as infecções podem se tornar muito sérias em pessoas com o sistema imunológico comprometido, como os que são HIV positivos. Aí vem a “simples solução”, que é injetar os tumores com bicarbonato de sódio, que nem é o tratamento usado para tratar infecções por fungos, imagine só cancer. Muito antes pelo contrário, há enorme quantidade de evidência demonstrando que altas doses de bicarbonato de sódio podem ter consequências sérias, até mesmo fatais. Alguns estudos sugerem que o bicarbonato pode afetar canceres tranplantados em ratos ou em células criadas em laboratório, por neutralizar a acidez no microambiente ao redor de um tumor. Pesquisadores nos USA estão fazendo um pequeno estudo clinico para investigar se capsulas de bicarbonate de sódio podem ajudar a diminuir a dor cancerosa, e descobrir qual é a dose máxima que pode ser tolerada, mas ninguém está testando qualquer efeito no tumor em si. Até onde se sabe, não há qualquer publicação a respeito de testes clinicos com bicarbonate para tratamento de cancer. Também não está claro se é possível dar doses de bicarbonato que possam ter qualquer efeito significativo no cancer, em humanos, embora isso esteja sendo investigado.Pelo fato de nosso organismo resistir valentemente a tentativas de mudança em seu pH, usualmente expelindo o bicarbonato através dos rins, há tremendo risco de que, doses suficientemente grandes para afetar significativamente o pH em volta do tumor, possam causar uma condição seríssima, chamada de alcalose. Uma estimative sugere que, uma dose de 12 gramas de bicarbonato ao dia ( baseada num adulto de 65Kg), seria suficiente para contrabalancear o ácido produzido por um tumor de cerca 1 milímetro, doses de mais de 30mg/dia, vão causar severos problemas de saúde. É só fazer as contas.

6- HÁ UMA CURA MILAGROSA QUE...
Alegações on line não são evidência científica. De cannabis a enemas de café, a internet está entupida de vídeos e testemunhos pessoais a respeito de “curas milagrosas e “naturais”para câncer. Mas, afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias, e vídeos do You Tube e post no Facebook não são evidência científica e nem são o mesmo que evidência de boa qualidade e revisada ad nauseam. Em muitos casos, é impossível dizer se os pacientes apresentados em tais fontes foram ou não "curados" pelo tratamento alternativo em questão, dado que nada se sabe a respeito de seu diagnóstico médico, estágio da doença, ou se tinham mesmo câncer. Também não se sabe que outros tratamentos de câncer tiveram. Alem de tudo, só ficamos sabendo dos “sucessos”. E os que tentaram e não sobreviveram? Defunto não fala, e usualmente, os que fazem essas alegações de “curas milagrosas”, pegam os melhores casos, sem apresentar o quadro todo. Isso realça a importância da publicação de dados de pesquisa científica rigorosa e ensaios clínicos, revisada por pares. Primeiro, porque estudos clínicos adequados permitem aos pesquisadores demonstrar que um tratamento de câncer em potencial, é seguro e eficaz e, segundo, porque a publicação destes dados permite que os médicos, mundo afora, possam julgar por si mesmos e usar o aprendido para benefício de seus pacientes. Este deveria ser o padrão para todos os possíveis tratamentos de câncer, e a bem dizer, qualquer outro tratamento.Isso não quer dizer que o mundo natural não seja uma fonte para tratamentos em potencial. Da aspirina (casca de salgueiro) à penicilina (bolor) e ao taxol (medicação anti cancerígena inicialmente extraída da casca de agulhas do teixo do Pacífico), há centenas de exemplos. Isso não quer dizer que se deva mastigar agulhas de teixo para combater tumores.O tratamento tornou-se eficaz porque o ingrediente ativo foi putificado e testado, de formas que sabemos que é seguro, eficaz e que dose deve ser prescrita.Claro que, qualquer pessoa com câncer e seus familiares, querem mais é serem curados por qualquer forma possivel, e vão mover céus e terras na busca. Nosso conselho, é tomar muito cuidado com qualquer coisa designada como “cura milagrosa”principalmente quando o milagre está sendo vendido. A Wilkipédia traz uma lista excelente de tratamentos inefetivos para o câncer (que também traduzi e vou colocar no próximo post, posto que fui ver na wilkipédia em português e não existe tal artigo).

7- E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA A ESTÁ SUPRIMINDO...
Teorias conspiratórias não batem. De mãos dadas com a idéia de que há uma infinidade de "curas milagrosas" vem a idéia de que governos, a indústria farmacêutica e até mesmo instituições de caridade estão conspirando para esconder a cura para o câncer, porque fazem muito dinheiro com tratamentos existentes. Seja qual for a 'cura' milagrosa que está sendo vendida, a lógica é geralmente a mesma: é facilmente disponível, barata e não pode ser patenteada, por isso a corja médicos/industria farmacêutica quer suprimi-la, a fim de encher seus próprios bolsos. Mas, como já escrevi antes, não há nenhuma conspiração - às vezes a coisa simplesmente não funciona. Não há dúvida alguma de que a indústria farmacêutica tem uma série de problemas com transparência e ensaios clínicos que precisa para resolver (o livro Bad Pharma por Ben Goldacre é uma cartilha útil a respeito do assunto). Fazemos uma força danada para ter a certeza de que as entidades reguladoras e as empresas farmacêuticas disponibilizem drogas eficazes a preço justo para o NHS (Sistema Nacional de Saúde da Inglaterra) ,embora seja importante lembrar que o desenvolvimento e experimentação de novas drogas custa muito dinheiro, que as empresas precisam recuperar.O problema com a medicina convencional, não prova, automáticamente, que curas alternativas funcionam. Usando uma metáfora:o fato de carros, às vezes quebrarem, não prova que tapetes voadores sejam uma opção viável como meio de transporte. É que, simplesmente, não faz nenhum sentido a coisa da industria farmacêutica querer suprimir a cura, pois, se esta fosse encontrada, já imaginou o tamanho das vendas???? E o argumento de que os tratamentos não podem ser patenteados,não se sustenta. Empresas farmacêuticas não são estúpidas, e eles são rápidos a saltar no bonde de caminhos promissores para terapias eficazes. Há sempre maneiras de reembalar moléculas e patentes, o que lhes daria um retorno enorme sobre o investimento necessário para desenvolvimento e testagem em ensaios clínicos (um custo que pode ser de muitos milhões) se o tratamento funcionar. Também é importante ressaltar que instituições de caridade, como a Cancer Research UK e cientistas financiados pelo governo, são livres para investigar tratamentos promissores sem fins lucrativos. E é difícil entender por que os médicos do SNS - que muitas vezes prescrevem genéricos, medicamentos sem patente - não usariam tratamentos baratos se tivessem sido demonstrado eficazes em ensaios clínicos. Por exemplo, estamos financiando testes em larga escala para aspirina - droga sintetizada pela primeira vez em 1897 e, agora, um dos mais utilizados genéricos, sem patente,no mundo. Estamos pesquisando se pode prevenir câncer de intestino em pessoas com alto risco, reduzir os efeitos colaterais da quimioterapia, e até mesmo prevenir o câncer de voltar e melhorar a sobrevivência. Finalmente, vale a pena lembrar que somos todos humanos - até mesmo políticos e executivos da “Big Pharma” - e câncer pode afetar qualquer pessoa. Pessoas em empresas farmacêuticas, governos, instituições de caridade e do "establishment médico", todos podem vir a ter e morrer de câncer. Aqui, no Cancer Research UK, vimos entes queridos e colegas passar por câncer. Muitos deles sobreviveram. Muitos não. Sugerir que estamos - individual e coletivamente - escondendo "a cura", não é apenas absurdo, é ofensivo para a comunidade global de cientistas dedicados, ao pessoal e simpatizantes de organizações de pesquisa de câncer, como Cancer Research UK e, mais importante, a pacientes com câncer e suas famílias.

8- TRATAMENTOS PARA O CÂNCER MATAM MAIS DO QUE CURAM
Pois é, só que, na realidade, mais do que dobraram a sobrevivência. Vamos ser claros: tratamentos para câncer, seja quimioterapia, radioterapia e/ou cirurgia, não são nenhum passeio no parque. Os efeitos colaterais podem ser muito difíceis, e, qualquer coisa que mate celulas cancerosas, vai, inevitávelmente, afetar as saudáveis. E pior, algumas vezes, nenhum tratamento funciona.. Sabemos que é muito difícil tratar estágios terminais, quando o câncer se espalhou pelo organismo, e embora o tratamento possa prover alívio para os sintomas e prolongar a vida, não há cura quando se chega a esse estágio. Cirurgia continua sendo o tratamento mais eficaz, claro se o diagnóstico for feito precocemente o suficiente para que a cirurgia seja feita, e a radioterapia ajuda em muito mais curas que os medicamentos anti cancerigenos. Mesmo assim, estes últimos continuam sendo muito importantes, em alguns casos, ajudando a curar, e em outros, prolongando a sobrevivência. Artigos na net clamando que a quimioterapia é "eficaz em apenas 3% dos casos", são altamente enganosos e desatualizados, assim como os que alegam que a quimioterapia pode "estimular o câncer". É importante ressaltar que, em um número crescente de casos, as drogas funcionam. Por exemplo, mais de 96% de todos os homens com câncer testicular,estão curados, em comparação com menos de 70% na década de 1970, graças em parte a uma droga que ajudamos a desenvolver, a cisplatina. E 3/4 das crianças com câncer são curadas agora, em comparação com cerca de1/4 na década de 1960 - a maioria delas, vivas hoje, diretamente graças à quimioterapia. Sabemos que ainda temos um longo caminho a percorrer até que tenhamos tratamentos mais eficazes, menos sofridos, para todos os tipos de câncer. E é importante que médicos,pacientes e famíliares sejm realistas e honestos sobre as melhores opções de tratamento, especialmente quando o câncer é muito avançado. Pode ser melhor optar por um tratamento que visa reduzir a dor e os sintomas em vez de tentar curar a doença (cuidados paliativos). Equilibrar qualidade e quantidade de vida sempre vai ser um problema no tratamento do câncer, e é onde cada paciente deve decidir por si mesmo.

9- NÃO FIZEMOS QUALQUER PROGRESSO NA CURA DO CÂNCER
Nos últimos 40 anos, o índice de sobrevivência na Grã Bretanha, dobrou, ou seja, a aformação acima é simplesmente uma mentira.Graças aos avanços da ciência, a sobrevivência de longo prazo (10 ou mais anos) dobrou e as taxas de morte cairam em 10% só na última década. Por definição, esses valores se referem a pessoas tratadas pelo menos 10 anos atrás. É provável que os pacientes que estão sendo diagnosticados e tratados hoje tenham ainda maior chance de sobrevivência. Para ver como o quadro mudou, assista o documentário- The Enemy Within: 50 years of fighting cancer (O inimigo interno: 50 anos lutando contra o câncer). Mostra desde os primeiros dias da quimioterapia nas décadas de 50 e 60, até as drogas mais "inteligentes" e a radioterapia que identifica as células cancerosas com a precisão de laser, mostrando bem como e quanto avançamos ao longo dos anos. Continua um longo caminho pela frente. Há alguns canceres para os quais os progressos tem sido muito mais lentos, a saber os de pulmão, cérebro, pancreático e esofagiano. E quando perdemos algum ente querido para o câncer, é claro que sentimos como se nenhum progresso tivesse havido. Aí está a razão porque trabalhamos tão duro para vencer o câncer o mais breve possivel, para termos a certeza de que ninguém mais vai perder sua vida para ele.

10-TUBARÕES NÃO TEM CÂNCER
Tem sim.

http://www.iflscience.com/health-and-medicine/don%E2%80%99t-believe-hype-%E2%80%93-10-persistent-cancer-myths-debunked

0 comentários:

Postar um comentário