Google+ Badge

quarta-feira, 16 de maio de 2012

7 PASSOS PARA ENTENDER SENTIMENTOS E PENSAMENTOS

 7 STEPS TO DEVELOP AWARENESS OF YOUR FEELINGS AND THOUGHTS

 


Pensamentos são diálogos internos.
Temos, em média , cerca de 6000 pensamentos por dia, a maioria repetitivos, isto é, aqueles com os quais já estamos acostumados e que ficam voltando. 

Na maioria dos casos, esses pensamentos foram aprendidos a partir das experiências com nossos cuidadores primários na infância (usualmente pais e família próxima), e foram repetidos a partir daí.

Considerando que nossas habilidades cognitivas não se desenvolvem totalmente até mais ou menos a metade da década dos 20, dá para imaginar quantos desses pensamentos são puro lixo, desatualizado, sem nenhuma serventia, daí a razão da necessidade de entender nossos pensamentos.

Porque, tendo a capacidade de escolher como pensamos a nosso próprio respeito e a respeito do mundo em geral, podemos  regular e escolher nossa resposta a qualquer evento desencadeante. 

É simples: O entender o que se passa nesse nosso diálogo interno nos permite escolher que respostas queremos dar aos eventos, estando portanto no controle da situação, ao invés de permitirmos que nossas emoções o estejam.

Nossa felicidade depende disso, e este é um ponto crítico, pois nossos pensamentos ativam processos que são dirigidos pelas emoções, mesmo as mais dolorosas.

Vai daí que nossos pensamentos e crenças subjacentes vão lá, e  automaticamente desencadeiam essas emoções.

Embora eventos e ações  possam provocar sentimentos desagradáveis, não são os causadores dos mesmos.

Os agentes ativadores são as historinhas que contamos a nós mesmos, e a maior parte do que nós dizemos opera em nível inconsciente.

Nossas historinhas derivam de nossas crenças.

Quando  nós, e não nossas emoções, estamos no comando do que pensamos, estamos também no comando de nossos  comportamentos, e, portanto, temos mais controle sobre  a forma como os eventos em nossas vidas vão se desenrolar.

Desenvolver o autoconhecimento é o primeiro passo para transformar nossos pensamentos.

Também e essencial entender o poder de nossas emoções. 


                              
Nossos pensamentos são energias  com as quais temos que lidar, pois são as alavancas das emoções, as quais, por sua vez, moldam nosso comportamento.

Nesse sentido, as emoções são nossos “sinalizadores” isto é, as luzes do semáforo que indicam como vamos nos comportar.

Como uma bússola, os sentimentos indicam quando estamos na direção certa ou errada em relação a quem queremos ser, nossos objetivos ou nossa visão de vida.

Nosso sucesso na resolução dos problemas na vida está diretamente relacionado à nossa capacidade de experienciar  completamente toda a vasta  gama de emoções, permitindo que elas nos informem nossa direção, a cada momento. 

Emoções agradaveis, ou que nos fazem sentir bem, como por exemplo alegria, felicidade, confiança, nos dizem que algumas de nossas necessidades básicas estão sendo preenchidas, mas cuidado, porque esses sentimentos podem ser enganosos.


Vejam, nem tudo o que nos faz sentir bem é bom para nossa saúde ou nosso interesse, por exemplo, substâncias ou atividades que causam dependências.

Já as emoções desagradáveis sinalizam que algo, lá dentro, está liberando os hormônios do stress.


Apesar disso, muitas coisas que causam stress, como por exemplo lidar com algo importante, fazer um teste ou prova, são extremamente saudáveis física, mental e emocionalmente.

Eles nos ajudam a aprender, crescer, desempenhar, criar e fazer coisas extraordinárias!

Assim, é de vital importância aprender a nos conectarmos empaticamente  a todas as emoções dolorosas, desagradáveis ​​ou que nos fazem "sentir mal", como raiva, culpa, vergonha, dor e ansiedade.


Elas fornecem uma grande quantidade de informações essenciais que as emoções agradáveis ​​não podem fornecer. 

Elas nos contam onde estamos, em relação a onde queremos, aspiramos ou almejamos estar.

Essas emoções, baseadas no medo, nos convidam a entender quais são  as mudanças ou ações possíveis e que  funcionariam melhor no alcance de nossos objetivos.

Na maioria das vezes são "ações" pequenas,  como a substituição de uma crença limitante por uma energizante.

Ou pode ser uma ação mais desafiadora, como fazer um pedido ou expressar sentimentos a um ente querido (autenticamente, sem culpa ou condições).

Aqui  vão os 7 passos para nos conscientizarmos de nossos sentimentos e sua relação com nossos pensamentos  

1-    SELECIONE UMA “SITUAÇÃO GATILHO” PARA PROCESSAR.

Faça uma lista de eventos  que costumam disparar seus sentimentos de raiva.

Daí ,selecione o que achar mais fácil de lidar, só pra começar.
Com a prática, e indo um passo de cada vez, vai subindo a escala pros que considera mais difíceis.

Dá pra notar que leva tempo, e requer paciência, mas ao mesmo tempo que há que se sair da zona usual de conforto, também não queremos ser esmagados pelo processo, e a qualquer momento que a coisa se tornar por demais emocionalmente intensa, para tudo, vai fazer qualquer outra coisa.

Se isso continuar acontecendo, provavelmente é melhor procurar por ajuda profissional.

2-    CENTRE-SE NO PRESENTE, RESPIRANDO FUNDO
       E DEVAGAR

  Depois de selecionar o “ gatilho” sobre o qual quer 
  refletir, relaxe.Feche os    olhos, respire devagar e 
  profundamente a partir da barriga,( de 3 a 5 boas
  respiradas costumam ser o suficiente) .

Foque toda a atenção na respiração, e com os olhos fechados, escaneie todo seu corpo, do topo da cabeça a ponta dos dedos dos pés, liberando qualquer tensão no caminho.

Imagine-se num lugar seguro.
Lembre que você não é suas emoções ou seus pensamentos.
Você é o/a observador, criador e o quem escolhe emoções e pensamentos.

Diga a você mesmo/a que isso é uma boa notícia.
Isso significa que você está no comando de suas respostas, e que ninguém pode fazê-lo sentir-se assim ou assado sem seu consentimento.
Você é o observador de suas emoções.

Faça uma anotação mental de que as emoções que esta experienciando são apenas velhos bolsões de energia, feridas de infância, de momentos em que não tinha muitas capacidades cognitivas para saber de si, e de ver-se, e ao mundo, sob várias e diferentes perspectivas.

Agora, como adulto inteligente e capaz, você está sempre no comando desses processos.

Também pode interromper esta parte em qualquer ponto que achar necessário.

3-    IDENTIFIQUE E SINTA SUAS EMOÇÕES

Estando relaxado e centrado em sua respiração, traga à mente o gatilho escolhido, recordando sua mais recente ocorrência.

Sem julgar, faça uma pausa para tomar consciência de seus sentimentos e sensações.
Observe todas as emoções e sentimentos que esta sentindo, continue respirando profundamente.
Ajuda, se  se perguntar: o que estou sentindo neste exato momento? 

Se estiver sentindo raiva, dá uma olhadinha no que esta debaixo disso.

A raiva é SEMPRE uma emoção secundária, que entra em cena para nos proteger do sentir coisas de vulnarabilidade, tais como vergonha, dor ou medo, que podem ser esmagadoras.

Que emoções você está sentindo? 
Escreva-as. 
Uma ideia e manter um diario desses exercícios.

4-    SINTA E OBSERVE A LOCALIZAÇÃO DE TODAS AS SENSAÇÕES EM SEU CORPO

Pare para sentir cada emoção, e cada sensação física associada.
Para cada emoção que estiver sentindo, pergunte-se que sensações seu corpo esta sentindo e onde, quando imagina o evento desencadeador. 

Em sentindo a sensção, respire profundamente e, gentilmente coloque a mão no local que esta sentindo no corpo.
E, ao fazer isso, conscientemente suprima qualquer impulso de corrigir, parar, julgar ou reprimir seja lá qual for a emoção ou sensação que estiver sentindo.

Continue sondando, e perceba que as sensações provavelmente estão diminuindo em intensidade.

Se continuar parecendo que raiva é a emoção primária, continue se pergntando: “ Que mais estou sentindo”?

Descreva as sensações que sentiu e onde sentiu numa coluna a direita das emoções que já escreveu no item 3.

5-    ACEITE SEUS SENTIMENTOS E TENHA A CERTEZA DE QUE PODE LIDAR COM TODA E QUALQUER EMOÇÃO OU SENSAÇÃO.

Continue a se lembrar que você NÃO É suas emoções. 

Emoções são formas de energia, e o que você está sentindo são bolsões de energia intensamente carregada e ligadas ao passado.

Como criador de sua própria vida, você pode escolher , se quiser, respirar dentro de qualquer energia dolorosa, observá-la mudar, movimentar-se  e finalmente, se desprender.  

Você pode escolher  reafirmar o poder que tem como  criador de suas opções, e simplesmente aceitar seus sentimentos dolorosos  como ocorrências naturais baseadas  nas historinhas que vem se contando há muito tempo.

Calmamente, afirme: “ Aceito que estou sentindo......... neste momento”.

Fale  silenciosamente com  você mesmo : “ Eu posso lidar com esta emoção. Sou forte, e capaz de lidar com isso sábia, fácil e calmamente”.  

(Se quiser e estiver seguro que ninguém vai ouvir, as vezes é bom berrar tudo isso, mas como a ideia é modificar a você mesmo, não há nenhuma necessidade de dar pano para manga para fantasia de vizinhos. Até JC disse que, se quisesse rezar, o fizesse no armário. É coisa sua, não do universo.)

Uma forma poderosa de alavancar as emoções negativas, é lembrando de alguma época que se experienciou emoção semelhante e lidou-se bem com ela .

E desde que já lidou bem no passado, obviamente pode fazê-lo no presente e no futuro.

Diga para você mesmo: “ Lidei com isso no passado, posso lidar agora e no futuro”.

Repita a afirmação quantas vezes forem necessárias até perceber uma mudança tanto na intensidade quanto em seu estado emocional.
Respire fundo entre cada repetição.

Saiba que, cada vez que lidar com alguma emoção, isso se soma a seu repertorio de sucessos, o que fortalecerá sua habilidade de manejar suas emoções, e no futuro, que esperamos próximo, aprender a tornar as emoções baseadas no medo em  bens emocionais.

6-    PERCEBA QUE É O QUE VOCÊ SE DIZ, DENTRO DE SUA CABEÇA, QUE DISPARA AS EMOÇÕES DOLOROSAS.

Observe seus pensamentos quando imagina o evento desencadeador, particularmente qualquer padrão tóxico de pensamento.

Seus pensamentos desencadeiam emoções/sensações físicas no corpo.
É simplesmente como o cérebro funciona.

Observe esses pensamentos de uma distância segura, mas sem julgar.

Use o seguinte prop visual: Imagine-se num trem muito luxuoso, em alta velocidade, e você esta olhando pela janela, assistindo a todos seus pensamentos perturbadores passarem por ela rapidamente, enquanto você está confortabilíssimo e seguro em sua poltrona, só olhando. 

 Anote o que disse a você mesmo  em outra coluna, ao lado das emoções e sensações físicas nos itens 3 e 4.

7-    CONECTE-SE EMPATICAMENTE PARA ENTENDER E VALIDAR SUA EXPERIÊNCIA

Lembre-se que, apesar do fato de que pessoas ou eventos podem desencadear emoções negativas, elas nunca são a causa das mesmas.

É sua conversa interna que causa todas as emoções  dolorosas, tipo frustração, culpa, ressentimento ou raiva, e consequentes sensações em seu corpo.

É como você explica os gatilhos a você mesmo, o que é ótimo,  pois você pode mudar tudo isso.

Você pode escolher pensar pensamentos que o/a acalmam, o que fortalece sua confiança e capacidade de fazer escolhas com base em informação e não emoção.

E essa é ótima notícia, pois significa que você é a única pessoa  responsável pelas suas ações,  pensamentos e respostas emocionais.

Você tem a capacidade de proteger sua felicidade e paz de espírito, independentemente da situação pela qual esteja passando.

Ninguém pode fazê-lo sentir-se de determinada maneira, a não ser que você o permita.

O entender isso cria declarações que validam e afirmam a experiência, tipo: “ Faz sentido me sentir sobrecarregada, porque estou dizendo a mim mesma: nunca conseguirei fazer isso, é demais pra mim, não posso lidar com isso.”

Em suma, pensamentos disparam sentimentos  e os sentimentos comunicam informação vital quanto à melhor forma de sobreviver – e prosperar.

Na medida que  sua percepção for se fazendo mais clara a respeito do fato que  suas emoções e sensações são respostas a seus pensamentos ou diálogos internos, mais fácil vai ficando o redirecionamento dos já citados pensamentos, e assim, vai notar que tem muito mais poder do que imaginava, para regular seus estados emocionais.

Quando entender o poder que as emoções tem de moldar a vida, e a relação intrinsica das mesma com seu pensamentos, vai ser muito mais fácil lidar com elas como produto de suas escolhas.

Lembre-se que, no mar da vida, as emoções são nosso sistema de navegação.

(Para quem quer conhecer mais , aconselho):

Anatomia emocional, Stanley Keleman, Grupo Editorial Summus, 1992
Uma profunda reflexão sobre as conexões entre a anatomia e os sentimentos, a forma e as emoções. O autor é pioneiro no estudo do corpo e sua relação com os aspectos emocionais, psicológicos, sexuais e imaginativos de experiência humana. Um dos principais representantes da linha neo-reichiana nos EUA.

Fisiologia das Emoções, Dr. Raul Marino Jr, Servier, 1975

Uma pequena obra prima, que define o que  é emoção e seus extremos patologicos.Infelizmente esgotado, acho que vale procurar em sebos.

Inteligencia Emocional, Daniel Goleman, não recordo a editora no Brasil, mas deve ser fácil de achar. 

Brilhante neuro psicólogo, explicou de forma fácil e interessante como o cérebro funciona e como somos moldados por nossos pensamentos , que por sua vez produzem. emoções .Nenhum conceito novo, neurologia pura, mas o brilhantismo do prezado senhor reside em como desenvolveu a coisa, inclusive cunhando um nome novo, exatamente o de inteligencia emocional.

 

0 comentários:

Postar um comentário