Google+ Badge

sábado, 29 de outubro de 2016

COMO SABOTAR QUALQUER COISA ATRAVÉS DA ESTUPIDEZ INTENCIONAL: MANUAL DA CIA


Numa época em que temos um palhaço pomposo concorrendo à Presidência dos USA, e com grandes possibilidades de ganhar de uma mulher inteligente e preparadissima, ou como disse uma mocinha definida como “eleitora indecisa”, numa entrevista da CNN … "meu problema com a Hillary é que ela sabe demais, é preparada demais, fala bem demais, não parece gente de verdade…”; Brexit aconteceu no Reino Unido e agora está todo mundo com jeito de cão que peidou na igreja, sem saber bem o que fazer e no Brasil uma advogada não só pede ao Temer que interfira na politica de um pais estrangeiro, como também anuncia a apocaliptica invasão do Brasil pelas forças vermelhas de Putin, não pude resistir a traduzir o seguinte artigo:

CIA’s Simple Sabotage Field Manual: A Timeless, Kafkaesque Guide to Subverting Any Organization with “Purposeful Stupidity” (1944)

“Admiro imensamente os que consegiem navegar com sucesso o que chamo de "Castelo de Kafka", termo assustador em relação a muitas agências governamentais e empresariais que têm enorme poder sobre nossas vidas, e que parecem tão inescrutáveis e assustadoramente absurdas como o labirinto no qual personagem K navega na última novela alegórica de Kafka. Mesmo se ainda não leu “O castelo”, mas trabalha para uma tal entidade, ou como todos nós, tem relações regulares com o imposto de renda, o sistema de Saúde, serviços bancários, etc, está bem consciente da incompetência diabólica que se disfarça como diligência. Por que agências que lidam com vários milhões e bilhões de dólares, parecem incapazes de realizar as tarefas mais simples? Por que tantos de nós gastamos nossas vidas nos pesadelos burocráticos da vida real satirizados nos sitcons “The Office” e “Office Space”?

Uma resposta vem através da sátira de Laurence J. Peter, de 1969 “The Peter’s Principle”(O Princípio de Peter) cuja teoria é de que gerentes e executivos são promovidos para o nível máximo de sua incompetência, para daí então, irem frente e arruinar seus respectivos departamentos. A Harvard Business Review resumiu pesquisas recentes, assustadoras, confirmando e completando a percepções do Princípio de Pedro, para o narcisismo, o excesso de confiança, ou sociopatia, real em muitos líderes do governo e de negócios.

Mas, além de falhas humanas, há uma outra possível razão para o transtorno burocrático: a de que, em muitos casos, a incompetência institucional é o resultado de sabotagem deliberada. O funcionamento interno ridículo da maioria das organizações, certamente faz muito mais sentido quando visto à luz de um conjunto de instruções para a "estupidez intencional", ou seja, um simples manual de Sabotagem, escrito em 1944 pelo precursor da CIA, o Escritório de Serviços Estratégicos (OSS) que era “top secret”, mas foi recentemente liberado para consumpção pública.

Agora desclassificado e disponivel gratuitamente no site da CIA, o manual foi distribuído aos agentes da OSS no exterior para ajudá-los no treinamento "cidadãos-sabotadores", em países ocupados, como a Noruega e França. Tais pessoas, escreve Rebecca Cebola na Slate, "já poderiam estar sabotando materiais, máquinas, ou operações por sua própria iniciativa", mas poderiam não ter tido o talento diabólico para semear o caos, coisa que apenas uma agência de inteligência pode adequadamente dominar: preguiça genuína, arrogância e insensatez, tornando-as endêmicas.

Mas, o Manual de Campo afirma que "a estupidez intencional é contrária à natureza humana" e requer um conjunto específico de habilidades. O cidadão-sabotador "freqüentemente precisa de pressão, estimulação ou garantia, bem como informações e sugestões sobre métodos viáveis de simples sabotagem."
Você vai rir, se entristecer, se assustar, quando reconhecer o quanto seu próprio local de trabalho, e muitos outros, se assemelham ao tipo de confusão disfuncional que o OSS meticulosamente planejou durante a Segunda Guerra Mundial.

Organizações e Conferências



  • Insista em fazer tudo através de "canais apropiados". Nunca permita que atalhos sejam tomados a fim de acelerar as decisões.


  • Faça "discursos." Fale tão longa e frequentemente quanto possível. Ilustre seus "pontos" com histórias longas e relatos de experiências pessoais.


  • Sempre que possível, consulte todas as comissões existentes, para tentar fazer com que tal comissão pareça muito mais importante ou maior do que realmente é. Sempre se refira a "considerações e estudos mais aprofundados”. Nunca menos que cinco.


  • Traga à tona questões irrelevantes, tão frequentemente quanto possível.


  • Nunca use formas precisas e diretas de comunicação, nem permita que decisões sejam tomadas rapidamente.


  • Volte a questões decididas na última reunião e tente reabrir a questão sobre se tal decisão foi oportuna, se poderia ser revista, etc…


  • Advogue "cautela". Seja "razoável" e exorte seus companheiros a também o serem, a evitar a pressa que pode resultar em constrangimentos ou dificuldades mais tarde.


Gestores

  • Ao fazer atribuições de trabalho, sempre distribua os trabalhos sem nenhuma importância em primeiro lugar. Certifique-se que os trabalhos importantes sejam atribuídos a trabalhadores ineficientes.
  • Insista na perfeição em produtos relativamente sem importância; envie de volta para retoque o máximo possivel.
  • Para diminuir a moral, e com ela a produtividade, seja agradável com os trabalhadores ineficientes; dê-lhes promoções imerecidas.


  • Sempre marque uma reunião de equipe quando há um trabalho mais crítico a ser feito.


  • Multiplique os procedimentos e autorizações envolvidos na emissão de instruções, cheques de pagamento, e assim por diante. Certifique-se que pelo menos três pessoas têm de aprovar tudo o que se deve fazer.


Funcionários


  • Trabalhe lentamente.


  • Invente interrupções no seu trabalho. O máximo que puder.


  • Faça mal e porcamente seu trabalho, e culpe ferramentas, máquinas ou equipamentos ruins. Queixe-se que estas coisas o estão impedindo de fazer o seu trabalho direito.


  • Nunca passe suas habilidades e/ou experiência para um trabalhador novo ou menos hábil.”


Precisa de mais comentarios? Parece que, infelizmente, o manual feito para ganhar uma Guerra, caiu no gosto popular como método.

Boa idéia ler também:

Simple sabotage Field Manual PDF CLIQUE AQUI

Why do so many incompetent Men Become Leaders? CLIQUE AQUI

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

1 EM 5 EXECUTIVOS É PSICOPATA

Um estudo australiano descobriu que cerca de 1 em cada 5 executivos são psicopatas, mais ou menos a mesma taxa que entre os presos.
O estudo de 261 profissionais de alto nível nos Estados Unidos descobriu que 21% deles tinham níveis clinicamente significativos de traços psicopáticos. A taxa de psicopatia na população em geral é de cerca de 1 em cada 100.

“Nathan Brooks, o psicólogo forense que conduziu o estudo, disse que as descobertas sugerem que as empresas devem melhorar a sua triagem de recrutamento. Ele disse que recrutadores tendem a se concentrar em habilidades ao invés de características de personalidade e isso leva as empresas a contratarem "psicopatas bem sucedidos" que podem se envolver em práticas antiéticas e ilegais e/ou ter um impacto tóxico sobre colegas.
“Usualmente, psicopatas criam caos e geralmente tendem a jogar as pessoas umas contra as outras", disse ele."Para os psicopatas, o sucesso empresarial é um jogo e eles não se importam em violar códigos morais. Trata-se de chegar onde querem na empresa e ter domínio sobre os outros ".
A crise financeira global em 2008 levou os pesquisadores a estudar as características dos locais de trabalho que permitiram uma cultura corporativa na qual o comportamento antiético foi capaz, não só de florescer, mas também de ser recompensado. A pesquisa , realizada em conjunto com a Universidade de San Diego, foi baseada em um estudo de profissionais corporativos da indústria de abastecimento nos USA (de gerentes para cima).
Os resultados foram apresentados no Congresso da Sociedade Psicológica em Melbourne, e serão publicados no European Journal of Psychology.
Os pesquisadores têm examinado maneiras de ajudar empregadores a detector potenciais psicopatas."Esperamos implementar nossas ferramentas de triagem nas empresas para que haja uma avaliação adequada para identificar este problema, para impedir que tais tipos de personalidade se alcem a posições nas empresas que, a médio e longo prazo se torna muito caro para a empresa em si e para os outros empregados", disse Brooks.”

PERSONALIDADE ANTI-SOCIAL (ANTIGA PSICOPATIA) RESUMIDISSIMA
Os transtornos de personalidade são condições de saúde mental que afetam a forma como alguém pensa, percebe, sente ou se relaciona com os outros. O transtorno de personalidade anti-social é um tipo particularmente desafiador de transtorno de personalidade, caracterizado por um comportamento impulsivo, irresponsável e muitas vezes criminoso.
Sinais de transtorno de personalidade anti-social:
Tiram partido, manipulam ou violam os direitos dos outros
Não tem preocupação, arrependimento ou remorso ao inflingir sofrimento a outros
Comportam-se de forma irresponsável e desrespeitam comportamento social usual para aquela sociedade.
Têm dificuldade em manter relacionamentos de longo prazo
São incapazes de controlar sua raiva
Não sentem culpa nem aprendem com seus erros
Culpam os outros pelos problemas em suas vidas
Repetidamente quebram a lei

Quem desenvolve o transtorno de personalidade anti-social?

Este transtorno afeta mais homens do que mulheres. Não se sabe por que algumas pessoas desenvolvem transtorno de personalidade anti-social, mas tanto a genética quanto experiências da infância traumáticas, como abuso infantil ou negligência, podem ter influência.

Tratamento

Antigamente, pensava-se que o transtorno de personalidade anti-social era uma coisa para sempre, sem chance, mas agora sabe-se que pode ser gerida e tratada. Evidências sugerem que o comportamento pode melhorar ao longo do tempo com terapia, mesmo se as características essenciais, tais como falta de empatia permanecerem.

Artigo Original Clique aqui

Tenho algumas colocações a respeito de psicopatia e grandes empresas. Desde 1943 existe o MMPI (Minnesota Multiphasic Personality Inventory – Inventário Multifasico de Personalidade de Minnesota), que é o teste psicométrico mais pesquisado e usado por profissionais de Saúde Mental para ajudar em Diagnóstico diferencial, ajudar em respostas a questões legais, ajudar a desenvolver planos de Tratamento e avaliar candidatos a emprego durante o processo de seleção. Só que, depois do ADA (Americans with Disabilities Act -Lei dos Americanos com Deficiências), o uso do MMPI foi considerado “ato médico”e portanto proibido de ser usado como avaliação de candidatos, embora ainda possa ser usado para empregos que se relacionem com segurança pública, tipo policiais. Infelizmente, até nesse caso, citado teste tem sido usado cada vez menos, com resultados, a meu ver, desastrosos.

Para o caso de empresas, o MMPI (em qualquer de suas formas), foi substituido pelo Myers–Briggs Type Indicator (MBTI) - Tipos de Personalidade de Myers-Brigg), que é um auto relato montado para mostrar as preferências psicologicas de como as pessoas percebem o mundo e tomam decisões.. Baseia-se na teoria tipologica proposta por Carl Jung, que postula que há 4 funções psicologicas através das quais, nós humanos, experienciamos o mundo: sensação, intuição, emoções e pensamento, e, uma dessas funções é dominante, para determinada pessoa, a maior parte do tempo. Foi desenvolvido para pessoas sem disturbios psicologicos e/ou psiquiatricos (em minha opinião, um ser tão mítico quanto um unicórnio), e enfatiza o valor de diferenças normais entre indivíduos. A hipótese de base de tal teste é que todos nós temos preferências específicas na maneira como construimos nossas experiências, e essas preferências são a base de nossos interesses, necessidades, valores e motivação. Pessoalmente, adoro os livros de Jung. Profissionalmente, seu valor em têrmos de ciência, vai de escasso a nulo.

Embora extremamente popular no setor empresarial, o MBTI exibe deficiências psicométricas significativas, prinipalmente falta de validade, já que não mede o que é seu propósito medir e baixa confiabilidade, pois dá resultados diferentes para a mesma pessoa em diferentes ocasiões. E isso constatei pessoalmente, já que adoro fazer um teste e várias versões do mesmo estão fácilmente disponiveis na internet (tem uma divertidissima na bibliografia). Mas, obviamente, isso não tem a menor importância para os gênios do RH, fora que é muito mais divertido saber que você é COMANDANTE (ENTJ): Ousado, criativo, lider, sempre acha um jeito e se não achar cria, do que ter pontuação alta na escala de psicopatia e narcisismo.

E agora está me dando uma vontade danada de dar exemplos de gente que vemos todos os dias nas manchetes, mas como tenho como princípio jamais fazer diagnósticos públicos, que acho de uma falta de ética brutal, vou encerrar o post aqui e guardar minhas opiniões para discussões entre seletos amigos.

BIBLIOGRAFIA
Arbisi, P. A., Sellbom, M., & Ben-Porath, Y. S. (2008). Empirical correlates of the MMPI-2 Restructured Clinical (RC) Scales in psychiatric inpatients. Journal of Personality Assessment, 90

Boyle, G J (1995). "Myers-Briggs Type Indicator (MBTI): Some psychometric limitations". Australian Psychologist. 30

Butcher, J. N., Dahlstrom, W. G., Graham, J. R., Tellegen, A, & Kaemmer, B. (1989).The Minnesota Multiphasic Personality Inventory-2 (MMPI-2): Manual for administration and scoring. Minneapolis, MN:University of Minnesota Press.

Camara, W. J., Nathan, J. S., & Puente, A. E. (2000). "Psychological test usage: Implications in professional psychology" (PDF).Professional Psychology: Research and Practice. 31 (2)

Forbey, J. D., & Ben-Porath, Y. S. (2007). A comparison of the MMPI-2 Restructured Clinical (RC) and Clinical Scales in a substance abuse treatment sample. Psychological Services

Hogan, Robert (2007). Personality and the fate of organizations. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates

Lilienfield SO, Lohr JM, Lynn SJ (eds) Science and Pseudoscience in Clinical Psychology (2014),

MBTI TEST Clique aqui

PERSONALITY TEST AS A HIRING TOOL  Clique Aqui

PSYCHOLOGICAL TESTING AND THE SELECTION OF POLICE OFFICERS Clique Aqui


quarta-feira, 21 de setembro de 2016

PREZADO ANÔNIMO

Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "A MÁSCARA DA SANIDADE": 
Setembro 15-2016

Olá!
Com todo respeito, mas seu post está cheio de informações erradas, e como formadora de opinião acredito ser muito prejudicial. Observo pela sua formação, que os termos apresentados não deveriam ser alheios ao seu conhecimento.
Primeiro - Charles foi mandante, não executor do crime (basta ver o processo de julgamento americano)
Segundo - Se tivesse sido o executor, assassinatos seguidos é uma coisa, serial killer é outra, é pela sua formação acredito que deve saber a diferença do conceito, né? 
Terceiro - Esses dados de profissões que tem relação com psicopatas, já foi amplamente refutado, vide inumeros casos de enfermeiros, e pessoas ligadas a saúde que cometem esses crimes, e enfim...
Sem querer ofender você, mas eu sei que ir atrás da informação correta dá trabalho, porém é oque se espera ao publicar um texto. Ou pelo menos uma nota no início dele: Algo do tipo, oque vou escrever aqui não foi pesquisado, não é verdade dos fatos, é apenas meu pensamento e blá, blá, blá, acredito que seria mais honesto.
Reforço, não é algo para lhe menosprezar, muito pelo contrário, gostei do conteúdo do blog, é apenas uma sugestão

Prezado Anônimo
Grata pelo comentario. Não posso responder in box porque seu e mail é daqueles “do not reply”. Adorei o título de “formadora de opinião”, mas infelizmente, não o sou. O que sou é uma médica quase entrando na idade de aposentadoria e treinando, via este blog, para o que fazer quando e se decidir me aposentar, e no caminho, ir comentando as neurociências. E, já que estava confusa sobre o que escrever essa semana na qual o mundo certamente enlouqueceu,  você gentilmente  a forneceu .

Mas respondendo:

1-O post foi escrito em 2013. Com toda a certeza há dados novos a respeito

2-Sim, velho Charles foi só o mandante, ele nunca matou ninguém pessoalmente ao que se saiba, mas mesmo assim, “Charles Manson foi condenado por 7 acusações de assassinato em primeiro grau por seu papel nas mortes, apesar do fato de nunca ter matado ninguém diretamente. Em vez disso, ele ordenou seus seguidores a matar por ele. Isto é conhecido como assassinato por procuração ou assassinato por proxy, que é definido  como um assassinato no qual o assassino comete o crime sob o comando de outro, agindo como seu proxy ou procurador.” Dr. Scott Bonn, professor de sociologia e criminologia na Drew University em seu livro Porque amamos Serial Killers: O curioso apêlo dos mais selvagens assassinos ( tradução minha de Why we love serial killers: The curious appeal of the world’s most savage murderers.) Espero que agora tenha ficado claro o porquê, no post eu coloquei: “Carles Manson, aquele que matou a Sharon Tate. A fim e a cabo , não era nenhum tratado de criminologia, apenas um exemplo de um psicopata tamanho federal. Mas você está certo, esqueci de especificar.
3- “…assassinatos seguidos é uma coisa, serial killer é outra…” Tem toda a razão. Assassinatos seguidos é português para “serial killing”ou “serial murder”em ingles, enquanto “serial killer” é o assassino que comete assassinatos multiplos ou sequenciais  ou seguidos em ingles. Em português seria “assasino em série.”
Então, já que estamos no assunto, aproveite e dê uma olhada no PDF do FBI que explica tudo isso e mais um pouco. Pode baixar sem susto.
Serial Murder: Multi Disciplinary Perspective For Investigators; Behavioral Analysis Unit, FBI https://www.fbi.gov/stats-services/publications/serial-murder
4- “Esses dados de profissões que tem relação com psicopatas, já foi amplamente refutado, vide inumeros casos de enfermeiros, e pessoas ligadas a saúde que cometem esses crimes, e enfim...”  Aqui, faço notar que não coloquei dado nenhum, só citei o que está no livro “The Wisdom of Psychopaths: What Saints, Spies, and Serial Killers Can Teach Us About Success”, ou numa tradução livre de minha parte, “A sabedoria dos psicopatas: O que os Santos, Espiões e Assassinos em Série podem nos ensinar sobre sucesso”, do psicologo Kevin Dutton. Até botei fotinha do livro. Pode checar em A MASCARA DA SANIDADE . Por outro lado, você se olvidou de colocar quem ou onde o que tal psicologo disse foi refutado. Assim, curiosa que sou, fui dar uma revisada, desta vez sim, com dados.
O Dr. Robert D Hare (professor emérito na Un British Columbia, é pequisador na área de Psicologia criminal e desenvolveu o Inventario de Psicopatia de Hare -Hare Psychopathy Checklist, utilizado para avaliar casos de psicopatia) reporta que 1% da população em geral é constituida de psicopatas, e considera que esse número é bem maior, cerca de 3 a 4%, quanto mais alta é a posição na empresa.
Maiores informações, pode dar uma olhadinha nos seguintes links
Belinda Jane; Fritzon, Katarina (2005). "Disordered personalities at work". Psychology Crime and Law. 11

Hare R D (1993) Without Conscience: The Disturbing World of the Psychopaths Among Us

Hare, RD (1994), "Predators: The Disturbing World of the Psychopaths among Us", Psychology Today, 27 

E finalmente, concordo em gênero número e grau que ir atrás da informação correta dá trabalho. Melhor dizendo, dava. Agora a informação está à distância de um clique. E mesmo assim, nunca tanta desinformação aconteceu. Tomo por testemunha o que vemos em nossas páginas do FB todo santo dia, o dia todo. É gente reportando notícias, principalmente na área da Saúde de um nível de absurdo de arrepiar, principalmente para mim, que sou médica. Por exemplo: vem rolando há uns 5 anos, se não me engano, uma notícia de um médico italiano que se diz autodescobridor da cura de todos os canceres com injeções de bicarbonato de sódio. No site dele, tem a velha explicação que a big farma não deixa ele fazer as pesquisas que precisaria e blablablabla…e explica o bicarbonato pelo fato de todos os cânceres serem brancos. Bastaria uma passadinha no Google, na parte de fotos, para dissipar a idéia da brancura dos malditos, já que os há de todas as cores e formas. Mas não. E enquanto ele enriquece, familias gastam o que não tem para procurá-lo. E isso eu acho que é crime. Dos mais sérios. Isso para não falar nas campanhas anti vacinação, anti medicação para AIDS, etc.etc. etc.
Então, prezado Anônimo, estamos de acordo, e, mais uma vez agradecendo seu input, já tenho a idéia para a proxima semana, que será a importância do pensamento crítico na sobrevivência da espécie. Abaixo coloquei alguns links que com certeza vão estimular sua sede de saber.
FBI Records: The Vault https://vault.fbi.gov/
Investigación académica y gobernanza ética: una perspectiva sobre la creación de información http://www.ibersid.eu/ojs/index.php/ibersid/article/viewFile/3880/3599

sábado, 17 de setembro de 2016

PERCEPÇÃO E REALIDADE

“O medo e a paranóia criam muitas de nossas lutas mundanas. Colocamos algo em nossa mente e nossa percepção distorcida esculpe a realidade do que vemos. Mesmo que o que vemos não esteja realmente lá, tendemos a agir como se estivesse. Então começamos a colocar pessoas e coisas em caixas, rotulando-as e limitando-as devido a nossos medos.” Alaric Hutchinson, Living Peace

"Desde que me livrei da mídia sindicalizada e doutrinada, minha vida tornou-se um produto do que busco e não do que me disseram. Recomendo a todos, nesta era da informação, a exigir mais do que se procura em vez de simplesmente ficar usando a lista de favoritos em seu controle remoto."James Emlund

Neste momento em que tenho a impressão que o Apocalipse está se realizando, e vou me limitar a falar aqui do fenômeno Trump, desde que o que está acontecendo no Brasil não estou vivendo, só tomo conhecimento via midia e conversas com amigos, o que é muitissimo diferente de viver a coisa, vou me acalmar com as explicações das neurociências e das ciências sociais.

Por que chamo a coisa toda de Apocalipse? Por que, segundo o Webster, significa um grande desastre: um evento súbito e muito ruim que causa muito medo, perda ou destruição. E aqui nos USA, a coisa se evidencia nos seguidores do Trump, no geral brancos, classe de media a baixa, idade de 35 para cima, que é exatamente a camada da população que está morrendo de puro desespero, como evidenciado nos seguintes artigos:

Why Are So Many Middle-Aged White Americans Dying? (Por que tantos brancos de meia idade estão morrendo?) CLIQUE AQUI

Donald Trump Is Winning Because White America Is Dying (Donald Trump está ganhando porque a America branca está morrendo) CLIQUE AQUI

Why so many white American men are dying (O por que tantos Americanos brancos estão morrendo)
CLIQUE AQUI

America’s self-destructive (America auto destrutiva) CLIQUE AQUI

A group of middle-aged whites in the U.S. is dying at a startling rate (Um grupo de homens brancos de meia idade nos USA está morrendo em numeros espantosos) CLIQUE AQUI

A new divide in American death (Novo divisor na morte de Americanos)CLIQUE AQUI

Aqui vai um resumão de todos eles:
“Por que os Americanos estão se matando? O fato em si , provavelmente, a mais importante descoberta das ciências sociais em décadas, é a política americana. As pessoas que compõem este grupo são, em grande parte, responsaveis pela liderança de Donald Trump. A questão chave é o porquê, e as respostas sugerem que a raiva que domina a política Americana só vai piorar. Durante décadas, as pessoas nos países ricos viveram mais, mas os economistas Angus Deaton e Anne Case descobriram que ao longo dos últimos 15 anos, um grupo de brancos de meia-idade nos Estados Unidos está morrendo de forma alarmante e em números crescentes e é muito pior para aqueles com apenas um diploma do ensino médio ou menos. A diferença, em comparação com outros países e grupos é enorme. As principais causas de morte são: suicídio, alcoolismo, overdoses de medicamentos e drogas ilegais. Estas circunstâncias são geralmente causadas por stress, depressão e desespero. O único pico comparável em mortes em um país industrializado ocorreu entre os homens russos depois do colapso da União Soviética, quando a taxa de alcoolismo disparou. A explicação convencional para essa ansiedade da classe média é que a globalização e as mudanças tecnológicas têm colocado pressões crescentes sobre o trabalhador médio em nações industrializadas. Mas a tendência está ausente em qualquer outro país ocidental, sendo um fenômeno exclusivamente americano. E os USA na realidade, é relativamente isolado das pressões da globalização, tendo um vasto mercado interno, auto-suficiente. O comércio com outros paises representa apenas 23% da economia, em comparação com 71% na Alemanha e 45% na França.
Especula-se que talvez Estado social mais generoso na Europa, alivia alguns dos medos associados a rápidas mudanças, enquanto aqui nos USA, médicos e empresas farmacêuticas lidam com a dor física e psicológica com drogas incluindo opióides potentes e viciantes. A introdução de medicamentos, tais como o Oxycontin, um analgésico semelhante à heroína, coincide com o aumento do número de mortes.
Mas por que não se vê essa tendência entre outros grupos étnicos na América? Enquanto as taxas de mortalidade para brancos de meia-idade aumentou, as taxas para hispânicos e negros continuaram a diminuir significativamente. Estes grupos vivem no mesmo país e enfrentam pressões econômicas muito maiores do que os brancos. Por que não estão em desespero similar?
A resposta pode estar nas expectativas. Esses grupos não esperam que sua renda, padrão de vida e status social estejam destinados a melhorar de forma constante. Eles não têm a mesma confiança de que, se eles trabalham duro, vão certamente subir na vida. Na verdade, depois de centenas de anos de escravidão, segregação e racismo, os negros desenvolveram maneiras de lidar com a decepção e as injustiças da vida: através da família, arte, discurso de protesto e, acima de tudo, a religião.
"Vocês são os veteranos do sofrimento criativo," disse Martin Luther King Jr. aos negros em seu famoso discurso"I Have a Dream", em 1963. "Continuem trabalhando com a fé de que o sofrimento imerecido é redentor" E explicou a questão em termos pessoais: "Com meus sofrimentos, percebi que havia duas maneiras de responder à minha situação: ou reagir com amargura ou procurar transformar o sofrimento em uma força criativa. As experiências dos latino-americanos e imigrantes nos Estados Unidos são diferentes, mas esses grupos não acreditam que seu lugar na sociedade é garantido. Minorias, por definição, estão nas margens. Elas não presumem que o sistema está configurado a seu favor. Eles tentam duro e esperam ter sucesso, mas não o esperam como norma. Os USA estão passando por uma grande mudança, e embora os brancos da classe trabalhadora não pensem em si mesmos como um grupo de elite, é o que eles têm sido, certamente em comparação com os negros, hispânicos, indios americanos e a maioria dos imigrantes. Eles foram fundamentais para a economia americana, sua sociedade, de fato sua própria identidade. E não são mais. Donald Trump prometeu que vai mudar isso e fazê-los vencer novamente. Mas ele não pode. Ninguém pode. E no fundo, eles sabem disso. E é exatamente o que provoca o furor e as mortes.”

Ou seja, os brancos, se sentindo incapacitados de lidar com o que percebem como uma mudança para pior, não conseguem se adaptar às novas realidades e transformam seu mundo num redemoinho de ódio, provando a teoria da evolução que diz que a sobrevivência de um organismo está diretamente relacionada à sua capacidade de adaptação a um meio em constante mudança.

Mas, qual é a grande diferença entre percepção e realidade?

Por definição, PERCEPÇÃO (do latim perceptio, percipio) é a organização, identificação e interpretação das informações sensoriais, a fim de representar e compreender o ambiente. Toda percepção envolve sinais no sistema nervoso, que por sua vez resultam na estimulação física ou química dos órgãos dos sentidos.
Já REALIDADE é o mundo ou o estado das coisas como elas realmente são, ao contrário de uma ideia idealista ou fictícia das mesmas.

Por exemplo, percepção é aquela saudade dos “bons velhos tempos”, como o mundo era muito melhor quando… (eramos crianças, adolescentes, adultos jovens, etc…).

A Percepção é sempre uma Projeção e as coisas nem sempre são o que parecem ser, coisa muito usada por comerciantes, marqueteiros e politicos, para nos fazer ver as coisas como eles querem que as vejamos. Eles são ótimos em nos dizer tudo o que queremos ouvir, sem qualquer indício de verdade no discurso todo inteiro. O mundo que vemos é o reflexo de quem somos e no que acreditamos, e a profecia auto-realizável estabelece a base deste conceito: uma declaração que altera as ações e, portanto, torna-se verdade. Inconscientemente, mudamos nossas ações para que nossa previsão seja cumprida. Lembra da Faculdade, daquela matéria que você detestava, e de como passou muito mais tempo pensando sobre o quanto a detestava ao invéz de tentar entender a coisa, e o resultado nas notas? Pois é. Muitas vezes, a maneira como percebemos a realidade é colorida pela forma como queremos que ela seja, em vez de simplesmente a maneira como é.

A Percepção impulsiona nosso comportamento todo o tempo. Veja o exemplo simples do Facebook. Não lhe dá a impressão que o mundo é constituido de pessoas lindas, fantásticas, de bem com a vida, cheias de sucesso, e você é a única que acorda descabelada, tem dor de barriga e não está cheia de amor para dar à larga? Ou qualquer propaganda de creme para rugas, estrelado por uma modelo maravilhosa de 20 anos, que, para inicio de conversa, não tem rugas?

Só para dar um exemplo, o rendimento da indústria dos cosméticos, só aqui nos USA, para o ano de 2015, foi de $56,875,000,000 (56 BILHÕES de dólares e quebradinhos).

Uma pessoa pode alugar uma Ferrari e um smoking, aparecer no Jockey Club, comprar uma garrafa de champagne carissima e parecer milionaria. Esta pessoa está criando sua própria percepção, criando uma ilusão. Não importa que essa pessoa não seja nenhum milionário porque vamos percebê-la como se fora. Esta pessoa está “criando uma realidade” de que está fazendo grandes coisas, e na verdade, pode não estar fazendo porcaria nenhuma.

E essa é exatamente a grande capacidade de nosso Donald aqui. Ele vendeu a idéia de si mesmo como um grande homem de negócios, que se fez a si mesmo, tipo um Bill Gates ou Steve Jobs imobiliário, quando na realidade, a fortuna veio de seu pai e todos os negócios nos quais se meteu, cassinos, companhias de aviação, fabrica de vodka, carne, faliram miseravelmente. Mas ele teve um grande sucesso: um reality show chamado “The Apprentice” (O aprendiz), no qual o grand finale era sempre a frase “You are fired” (Você está despedido).
E também foi despedido do canal de TV onde esse programa ia ao ar, só que essa informação apareceu pouquissimo na mídia, que passou a lhe dar, de graça, o maior tempo de exposição, tendo assim a possibilidade de espalhar seu discurso cheio de ódio, apontando os dedinhos gordinhos para “os grandes culpados”pela queda de importancia daquele pedaço da população que, em não querendo mudar ou se adaptar aos novos tempos, precisa desesperadamente de um culpado fora de si onde despejar sua frustração. E quem são esses culpados? Os mexicanos, que além de serem estupradores, ladrões e chefes de cartel de Drogas, estão tirando os empregos dos pobres Americanos trabalhadores. E não importa o fato que a indústria dos alimentos pararia se não fossem os citados mexicanos, já que os Americanos se recusam a trabalhar debaixo do sol para catar laranja, maçã e as demais frutas e verduras. Também não interessa o fato de que as camisas e gravatas da linha Trump sejam manufaturadas na Indonésia e México. Outros culpados são os malditos liberais que, horror dos horrores, estão tentando extender Saúde à grande parte da população que não tem acesso. Aqui, se não se tiver um bom emprego que pague (só a metade) de um Seguro Saúde, danou-se. E mesmo assim, a grande parte das falências pessoais é causada por contas médico/hospitalares (Medical Bills Are the Biggest Cause of US Bankruptcies: Study (Conta Médicas são a maior causa de falência nos USA CLIQUE AQUI). Outros culpados: os negros, violentos e que não querem trabalhar, e mulheres, essas desastradas, que querem decidir sobre o que fazer com o própio corpo.

Triste de concluir, mas nossas percepções se transformam em nossa realidade.

"Tudo o que você ve, ouvie ou experiencia de qualquer maneira é específico para você. Você cria um universo único a partir de suas própias percepções " Douglas Adams

Use um minuto para examinar o lugar onde você está. É um lugar familiar ou novo? Pare de ler isto e olhe ao seu redor. Escolha um objeto, de preferência algo que você não tenha notado antes, e foque sua atenção nele. Se realmente se concentrar, tal objeto vai ficar mais brilhante e mais "real" do que antes, quando era só meio que despercebido, um barulho de fundo. Agora, observe os arredores a partir do ponto do objeto. Algumas pessoas podem fazer isso sem nenhum esforço, e para outros, é preciso alguma concentração. Dependendo de como você está treinado a se concentrar, poderá notar uma ligeira mudança em sua percepção, um salto estranho na realidade, onde, de repente, está vendo o mundo de uma perspectiva diferente. Funcionou? Quer tenha ou não percebido, sua percepção mudou, nem que tenha sido por apenas um instante.

Por que é importante estarmos conscientes de nossas percepções? Porque, se não estivermos, alguém vai criá-las por nós.

Já viu os incriveis desenhos nas calçadas feitos por Julian Beever? Ele utiliza uma técnica chamada Trompe l'oeil, que significa "enganar o olho" em francês. Ele usa imagens estáticas de desenho para criar uma percepção. É uma ilusão de ótica, e nesses casos, nossa mente tenta preencher os detalhes de algo que, ou pensa que já sabe, ou não está entendo muito bem. Isso funciona muito bem, quando essa é a intenção: momentaneamente deixar nosso mundo ser moldado por pura diversão. Mas, vagar pela vida, deixando que outros criem nossas percepções, pode ser muito perigoso, como tão bem e tão tristemente nos mostra a morte precoce de um número enorme de Americanos.

O problema é que, de certa forma, a percepção é tudo o que temos. Não é possível experimentar a realidade física, o que é "lá fora", diretamente, e assim vivemos dentro do mundo de nossas percepções. Nosso cérebro faz o melhor possivel para manter nossas percepções consistentes com a realidade física, com base nas informações que recebe dos sentidos, mas é só isso, nada mais pode fazer.

Ao mesmo tempo, o nosso sistema perceptivo é construído de modo que o que experimentamos, sentimos como realidade física, e a tradução do cérebro da percepção em um modelo da realidade é tão automática que não só não estamos cientes do que está acontecendo, mas é preciso prática e treinamento para nos tornarmos cientes disso. Esta consciência inclui todos os erros e distorções que nossos processos perceptivos rotineiramente impõem sobre nossa experiência, como nas ilusões de ótica.

Assim, a fim e a cabo, somos apenas capazes de interagir com a realidade, e é essa interação que nos permite realizar experimentos para determinar a verdadeira natureza de realidade ou, pelo menos, para chegar mais e mais perto de sua verdadeira natureza. Todas as vezes que temos alguma interação, tipo sair andando, ou atender o telefone, ou falar de nossos sentimentos com outra pessoa, qualquer coisa que façamos, de alguma forma estamos alterando a realidade física. Vemos essa mudança com nossa percepção, e a usamos para deduzir o que está acontecendo no mundo. Um dos problemas das pessoas com esquizofrenia, é que sua percepção está tão alterada que eles desenvolvem alucinações e delirios, e essa enorme alteração, para eles, é a realidade.

O problema é que, para a maioria de nós, não esquizofrenicos, há a crença que nossa percepção é igual a realidade, e como cada um de nós tem uma percepção diferente do mundo, criada pelo nosso temperamento inato, educação recebida em casa e na escola, cultura na qual vivemos, crenças que temos, livros que lemos, escolhas que fazemos, etc. etc e etc., a torre de Babel está instalada e aumentando a cada dia.

E isso não só torna nossa vida bem mais dificil do que deveria ser, mas também conseguimos transformar o mundo num imenso desastre.

Então qual a solução?

A antiquissima “Conhece-te a ti mesmo”, usada desde o frontispicio do Templo de Delfos a Freud, e a tarefa mais árdua para um ser humano. Sempre foi muito mais fácil apontar o dedo em alguma direção e culpar “o outro”, “a sociedade”,” a política”, “a religião ópio dos povos”, “a mídia”, enfim, a escolha é vasta.

Então pensa se sua “realidade” tem base em fatos verificaveis ou se está sendo levado/a por campanhas, porque todos seus amigos pensam assim, porque você é de direita, esquerda, judeu, cristão, mussulmano, ateu, porque não quer pensar nisso, porque se sente virtuoso apontando dedos, porque se sente impotente para mudar seja lá o que achar que tem que ser mudado. Melhor ainda, pega papel e caneta e escreve sua história. Quando e como você a decidiu? O que você poderia mudar em você mesmo, que mudaria toda a história? Você realmente escuta uma opinião diferente, ou quando o outro está falando, já está pensando em como responder sem ouvir direito o que é dito? Quais são suas expectativas, a respeito de você mesmo e a respeito do mundo?

Use verbos, que de adjetivos o mundo está cheio e cada um de nós os interpreta diferente. Ao invéz de pensar no amor substantivo, pensa no que implica o verbo amar.

O simples ato de escrever, vai mudar sua percepção, mudando assim a realidade.

Também tenho consciência que quase ninguém vai fazer isso, porque é também sina humana a resistência à mudança.

E docendo disco, scribendo cogito

BIBLIOGRAFIA

Behavioral Confirmation in Social Interaction: From Social Perception to Social Reality CLIQUE AQUI

Crónica de una muerte anunciada, Gabriel García Márquez  CLIQUE AQUI PDF

Defining Virtual Reality: Dimensions Determining Telepresence CLIQUE AQUI

Mind: perception and thought in their constructive aspects: CLIQUE AQUI

Perception and Reality: A National Evaluation of Social Norms Marketing Interventions to Reduce College Students’ Heavy Alcohol Use CLIQUE AQUI

Perception vs. reality CLIQUE AQUI

Perception and reality The truth behind consumer confidence CLIQUE AQUI

Social Perception and Social Reality: A reflection-construction model CLIQUE AQUI

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

DEMÔNIOS NOSSOS DE CADA DIA, OU A HISTERIA EM MASSA

"O mundo é a experiência do homem como lhe parece, moldada por seu ego. É a vida menos que abundante, vivida de acordo com os ditames do eu isolado. É da natureza desnaturada pelos espetáculos de distorção de nossos apetites e repulsas. É o finito divorciado do Eterno. É multiplicidade de forma isolada a partir da sua base não-dual. É tempo apreendido como uma coisa maldita depois da outra. É um sistema de categorias verbais tomando o lugar dos inacreditavelmente belos e misteriosos elementos que constituem a realidade. É uma noção rotulada de "Deus". É o Universo equiparado com as palavras de nosso vocabulário utilitarista ". Aldous Huxley-Os Demônios de Loudun.

Sim. Adoro Aldous Huxley. Tudo. Mas, “Os Demônios de Loudun” transformaram minha visão de mundo, tornando o fenômeno de histeria de massas uma de minhas grandes fascinações. Uso o termo fascinação, num sentido bem solto, desde que há coisas que me fascinam não exatamente por gostar delas, também quando não as entendo, ou me horrorizam, ou fazem coceiras em minha curiosidade.

Deixa dar uma espanada no conceito, esquecendo um pouquinho a versão lavada em cândida do DSM, que não só juntou a coisa, ao mesmo tempo, aos Distúrbios de Personalidade como também aos Distúrbios da Ansiedade Generalizada, descaracterizando tudo.

Embora aqui nos USA “histeria” não seja mais usada como diagnóstico, na Europa continua firme e forte, e seu significado tornou-se bastante distinto daquele descrito por Charcot e Freud. Primeiro, porque “histeria” vem da palavra grega que significa útero, e é mais do que óbvio que não há necessidade nenhuma do mesmo para desenvolver os sintomas, e segundo porque, devido à variedade de seus sintomas, apresenta-se mais como uma Síndrome, tal qual a Esquizofrenia tem sido vista.
Mas, meu objetivo hoje, não é falar sobre a citada indivídualmente, mas sim quando aparece e/ou se espalha num grupo.

Em psicologia e sociologia, histeria em massa ou de massa ou histeria coletiva, ou histeria em grupo ou comportamento obsessivo coletivo, é um fenômeno de ilusões coletivas a respeito de ameaças, reais ou imaginárias, que se espalha numa população, como resultado de rumores e medo.

A dita cuja pode acontecer em qualquer lugar, desde que haja um grupo de pessoas dispostas a tomar parte em uma ilusão coletiva, e, embora pareça surgir do nada, sempre há um clarissimo porquê atrás da coisa toda.

Embora seja fácil olhar para trás, em retrospectiva, e rir do acontecido, a histeria em massa é muito parecida com um desastre natural, ou seja, é devastadora e depois dela sobra uma desordem que às vezes fica muito dificil de arrumar.

Abaixo vão alguns exemplos que escolhi a dedo, pois há uma quantidade enorme dos mesmos, assim se estiverem curiosos, no final há material bibliografico fácilmente acessivel.
Por que escolhi esses exemplos? Porque acho que estamos re-vivendo tal fenômeno, e em meu caso, em dose dupla, Brasil e USA.
Ou como disse o grande Indro Montanelli, em seu livro sobre a historia da Grécia:
“Como sempre acontece em crises semelhantes, quando uma comunidade perde o seu sentido de missão e o controle de seu destino, o egoismo individual e do grupo se torna violento e desenfreado. O vocabulário, em Atenas, foi então enriquecido com 3 novas palavras: pleonexia, que significa encanto/desejo pelo supérfluo; crematistike, que significa febre do ouro; e neoplutoi, o que corresponde aos nossos assim chamados "tubarões", ou seja os donos do poder/dinheiro.”
Por ordem temporal, comecemos com o que deu origem ao livro:

AS POSSESSÕES DE LOUDUN – 1632
Um dos casos mais famosos de possessão em massa da história da França aconteceu em um convento de freiras Ursulinas, que afirmaram que seu pároco e diretor religioso, Urbano Grandier, havia ordenado a demônios que as possuissem, a fim de torná-las mais flexível para suas propostas sexuais (suas dele, Grandier). Os exorcismos resultantes das freiras e o julgamento de Grandier tornaram-se tão sensacionais que milhares de pessoas foram assistir. Também atraiu a atenção do rei Luís XIII e do Cardeal Richelieu. Dois anos mais tarde, Grandier foi considerado culpado e condenado à morte na fogueira. Teoricamente, tudo resolvido, certo? Pois ledo engano.
Na verdade, as tais possessões foram consequencia de bem tramado golpe para derrubar Grandier, pois o citado, além de ser bem apanhado fisicamente, era arrogante, tinha um estilo de vida um quanto libertino, de formas que angariou bom número de inimigos, entre eles, outros padres e bispos, que viram no acontecimento inicial, com uma freira que se achou possuida, a oportunidade perfeita para desacreditar Grandier. A madre superiora, Jeanne des Anges, também aproveitou a atenção para promover sua própria carreira no convento. As possessões continuaram até 1637, trazendo beneficios economicos para o convento e a cidade. Interessante que isso sempre me recorda certos cultos tão atuais.

OS JULGAMENTOS DAS BRUXAS DE SALEM -1692
Um dos melhores exemplos definidores do caráter americano, foi este ataque coletivo dos colonos puritanos do Novo Mundo pela crença histérica do satanismo no meio deles. Algumas meninas pré-adolescentes começaram a ter "visões", e foram "tomadas pelo Diabo", o qual foi convocado para mexer com elas por “um povo que não gostavam.” Essas pessoas foram então "julgadas", torturadas e, geralmente, queimadas na fogueira. Notar que tais pessoas foram um escravo caribenho, Tituba e duas mulheres, uma Sarah Good, pedinte e a outra, Sarah Osborn, velha e pobre. Foi uma inquisição americana, que preparou o caminho para muitos movimentos que vieram depois.

O GRANDE PÂNICO DO INÍCIO DA REVOLUÇÃO FRANCESA -1789
No início da Revolução Francesa, um pânico geral atingiu camponeses depois de terem ouvido rumores de um plano da aristocracia, a respeito da mesma vir a usar bandidos para saquear suas aldeias e campos. Paranoia encheu o ar como fumaça, e vagrantes e até mesmo animais foram confundidos com bandidos. Para se protegerem, os moradores formaram milícias armadas, movimento que só exacerbou o problema. As próprias milícias eram muitas vezes confundidas com bandidos por aldeias vizinhas, e outras ainda aumentaram o caos, atacando e incendiando casas e campos pertencentes aos nobres. Só quando ficou claro que não havia tal conspiração aristocrática foi que os camponeses se acalmaram. Todo o episódio deixou a classe dominante com tanto medo, que apressadamente promulgaram uma série de reformas para apaziguá-los. Com efeito, o Grande Pânico tornou-se o catalisador que aboliu a velha ordem, e as sequelas foram sentidas no mundo todo. Deixo a cada um o prazer de fazer as próprias analogias.

LINCHAMENTOS NOS USA :1860 a 1960
Os estados confederados, depois de perder a guerra civil, receberam o que, para eles, foi a indignidade final: A Reconstrução, que deu aos libertos (antigos escravos) o direito de serem seres humanos. Isso não foi bem recebido no Sul (até hoje), e por cerca de 100 anos, qualquer pessoa negra, no Sul, acusada e não condenada por qualquer crime de: olhar para uma mulher branca, assobiar para uma mulher branca, tocar uma mulher branca, falar com uma pessoa branca, recusar-se a ir para a sarjeta quando uma pessoa branca passasse na calçada, ou de alguma forma perturbar de qualquer forma, real ou imaginada, qualquer branco, estava susceptível a ser arrancada de sua casa ou prisão por uma multidão, mutilada de forma medonha, enforcada numa árvore, e depois queimada . Todos os governos, estadual ou federal e suas agências (como a polícia) simplesmente ignoraram a coisa toda. Até mais ou menos os anos 70, se podia comprar cartões-postais de comerciantes locais, orgulhosos dos notáveis linchamentos na área

O PÂNICO DO MOSQUITO BEIJADOR DE 1899
Em 1899, nos USA, o reporter James McElhone, do Washington Post, culpou o “mosquito beijador” como causador de mordidas de insetos nos lábios de algumas pessoas. Escreveu uma historia sensacional sobre o assunto, descrevendo como terrivelmente as pessoas tinham sido envenenadas e como os tais mosquitos estavam iniciando uma nova epidemia pior que a peste negra. Desnecessario se faz dizer que a historia desencadeou pânico atroz na nação, e uma senhora até descreveu seu ataque muito mais parecido com o ataque de um vampiro do que um mosquito. Pedintes começaram a cobrir o rosto com bandagens para aumentar seus proveitos e vários espertinhos pediram assistencia financeira governamental, pois clamavam ter perdido seus empregos devido ao tal mosquitão. Curiosamente, nunca que foi um mosquito pego no ato e os entomologistas, eventualmente, classificaram a coisa como “epidemia jornalistica”.

O FENÔMENO DOS CAÇADORES DE CABEÇAS – MALASIA – 1937
Nessa data, em algumas remotas regiões da Malasia e Indonésia, o povo começou a acreditar que o governo tinha espalhado caçadores de cabeças para conseguir as mesmas, que serviriam como base de construção de novos prédios e pontes. Pânico alcançava seu pico todas as vezes que uma nova estrutura começasse a ser contruida, e a coisa paralizou a cidade de Banda, onde as pessoas se barricaram dentro de casa. Historias de sons e visões estranhas só aumentaram a nóia, e alguns bons contadores de historias fizeram pequenas fortunas contando de seus encontros com e de como tinham escapado dos tais caçadores. A coisa se repetiu, agora em Bornéu, onde os moradores ficaram paranoicos após os rumores de que o governo estava raptando pessoas para reenforçar a estrutura de uma ponte próxima. Foi imposto toque de recolher, as escolas foram fechadas, e, surpresa, surpresa, milicias e patrulhas foram formadas. Para os especialistas que analisaram estes casos, os sustos/mitos dos caçadores de cabeça são essencialmente um boato que aparece de tempos em tempos e reflete a relação ideológica desconfortável entre tribos e seu governo.

INTERNAÇÃO DOS JAPONESES/AMERICANOS EM CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO – 1942- SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
Depois de Pearl Harbor, xenofobia em relação a tudo o que fosse oriental, se espalhou pelos EUA, levando à construção de uma série de campos de concentração para o confinamento de milhares de Japones e nipo-americanos que viviam na costa oeste dos EUA. Sem julgamento, essas pessoas tinham os seus negócios e bens confiscados e seus lares roubados (permanentemente), enquanto eles foram transferidos para assentamentos a centenas e até milhares de milhas de distância de suas casas. Isso sem contar os que foram mortos ou sériamente lesados por milicias patrióticas, bem ao estilo dos Nazis contra judeus.

O PAVOR VERMELHO – 1940 – FINAL DOS ANOS 50 – McCARTISMO
Uma das formas verdadeiramente selvagens (e modernas) de histeria política manufaturada, foi o surgimento de um senador alcoólatra chamado Joseph McCarthy após o fim da Segunda Guerra Mundial. Há que se fazer um resumão de longuissima história, que aqui vai: O Partido Republicano (GOP) estava se tornando insignificante após Franklin Delano Roosvelt (FDR) e os democratas conseguirem tirar o país da Grande Depressão e, em seguida, projetar a vitória dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial. O que fazer? Joe McCarthy e suas nunca, jamais, nem uma única vez verificadas acusações de que o governo dos EUA tinha sido completamente infiltrado por comunistas, conseguiu mergulhar o país em uma fossa de paranóia e fascismo que os republicanos exploraram ao máximo. Milhares de pessoas, professores, funcionários públicos, artistas, perderam seus empregos porque ou não quiseram assinar "juramentos de lealdade", ou porque não "informaram" sobre os seus amigos e vizinhos, ou porque alguém os viu lendo algum livro que parecia suspeito, ou foram ouvidos dizendo algo que parecesse anti Americano, enfim, dá para ter uma idéia. Há centenas de bons relatos no you tube, é só clicar McCartism ou McCartney. A coisa foi tão feia, que foi cunhado o termo MACCARTISMO, que é a prática de fazer acusações de subversão ou traição sem qualquer cuidado com evidências. Também significa a pratica de fazer alegações injustas usando técnicas investigativas injustas (o que inclui qualquer tipo de tortura), especialmente a fim de restringir discordância ou crítica política. Desnecessário se faz lembrar de como o McCartismo foi reinventado durante os anos Bush nesta terra dos livres e fortes, e continua, mais forte do que nunca, com a ascenção de Donald Trump, após 8 anos nos quais, Barack Obama, negro, democrata, absolutamente brilhante, tirou os USA da Depressão de 2009, ganhou o Nobel, aumentou o numero de empregos nesta terra, recusou-se, com uma classe que pouca gente possui, a baixar o nivel de seu discurso, ou como bem disse Michelle Obama na convenção democrata:
“Quando eles baixam o nivel, nós ascendemos.”

HISTERIA DE ABUSO EM CRECHES– 1980-90
Ou o caso McMartin, que se tornou um dos processos mais caros e sem sentido da historia Americana. E foi só a pontinha do iceberg do que viria a ser chamado de “histeria de ritual de abuso de creches”, e que durou quase duas décadas. No caso, trabalhadores de creches foram acusados de colocar as criancinhas em rituais de abuso satânicos. Afirmações fantásticas incluiram crianças serem forçadas a presenciar execuções (embora nunca se achou um defunto), estupros, torturas, e assim por diante. Todos, e digo todos os acusados, foram mais tarde exonerados, mas não antes de passar um bom tempo na cadeia e terem suas vidas total e completamente arruinadas. O que foi que causou a coisa toda? A resposta pode ser encontrada nos próprios pais. Como tornou-se mais comum para ambos, marido e mulher, trabalhar fora de casa, eles tinham que confiar seus filhos a creches, o que provavelmente muito aumentou ansiedade e culpa, e os que trabalhavam nas tais creches, se tornaram o bode expiatório perfeito para as angústias dos pais, ajudando-os a ignorar suas próprias falhas e problemas. Acrescente a isso os falsos testemunhos, vergonhosamente coagidos das crianças por psicologos interrogadores com pouco ou nenhum treino na situação, mais a vontade de escrever artigos inéditos (e os tiveram aos montes), e presto, lá se tem a receita perfeita para o equivalente do século 20 à caça às bruxas medieval.

O SUSTO DA COCA COLA CONTAMINADA DE 1999
A ameaça mais séria ao virtual monopólio da Coca-Cola na Europa começou em junho de 1999, quando mais de 100 estudantes na Bélgica “adoeceram” depois de bebe-la. A investigação, acoplada a PR inepto, custou à empresa $ 200 milhões de dólares e uma proibição de venda por vários dias em outros países europeus.
Embora o exame dos lotes contaminados tenha mostrado contaminação (foram encontrados "mau" dióxido de carbono e fenol), dois cientistas belgas especularam que os produtos contaminados tinham uma quantidade pequena demais para causar danos reais; para eles, o incidente foi principalmente "um caso de histeria em massa", alimentado, em parte, pelo pavor da doença da vaca louca e de produtos animais contaminados com dioxinas. A investigação separada do Conselho Superior de Higiene da Bélgica, em março de 2000, corroborou essas alegações e afirmou que a maioria das vítimas sofreu uma "doença psicogênica de massa." Sempre tive a desconfiança que teve o dedinho da Pepsi na coisa. Admito, adoro uma teoriazinha conspiratoria.

A COCEIRA DE BIN LADEN- Outubro 2001 a Junho 2002
Milhares de crianças de escolas primarias apresentaram erupções cutâneas que apareceram a troco de coisa alguma, e duravam de poucas horas a 2 semanas, desaparecendo tão misteriosamente como tinham aparecido. Todo mundo surtou: frente aos ataques de 9/11 e o susto do antrax, seria essa uma forma de bioterrorismo? A resposta é sim e não. Embora erupções cutâneas tenham sido e continuem sendo uma endemia em escolas, as crianças começaram a prestar mais atenção, e as enfermeiras das escolas começaram a reportar maior numero de casos que o costumeiro. Investigadores do CDC (Centro para Contrôle das Doenças -Atlanta-GA) descobriram que alguns estudantes, deliberadamente, esfregavam papel de lixa na pele, numa tentativa de fechar as escolas. Daí que, embora inexistente, a “coceira de Bin Laden foi ótima para espalhar histeria de massa. Aliás um caso há algumas semanas, trouxe à tona a coisa: Um avião foi atrasado horas, porque um senhora, vendo um italiano, professor de economia em Harvard, sentado ao lado dela e escrevendo muito concentrado, suas equações, apavorou-se e achou que era um terrorista árabe, fazendo coisas estranhas. Por um lado, ela estava certa, os números que usamos são arabicos. O tal professor está fazendo piadas homéricas com a coisa toda.

OS ATAQUES ALIENIGENAS NA ÍNDIA EM 2002
Conhecido como "muhnochwa", ou "arranhador de rosto," o ser apareceu no estado indiano de Uttar Pradesh, e deixava queimaduras ou marcas de arranhões no rosto e extremidades de suas vítimas. Ele também, supostamente, causou a morte de meia dúzia de pessoas, o que levou os moradores do lugar a formar grupos de vigilantes e a uma revolta contra o que acreditavam ser a falta de proteção policial. A agitação tornou-se tão difundida que o governo nacional teve de intervir e enviar agentes para investigar o caso.
Antes da investigação, havia teorias bizarras sobre as origens do muhnochwa. Uma delas era uma crença de que a coisa era um inseto zumbi gigantesco, usado por agentes paquistaneses para espionagem. Finalmente, os cientistas que investigaram o caso explicaram que o tal muhnochwa nada mais era do que um raio em bola, fenômeno natural que ocorre costumeiramente durante longos períodos de seca e pode queimar em contacto com a pele humana.
E nem vou comentar a histeria das armas de destruição em massa, que o Hussein nunca teve, mas que levou à Guerra mais longa que os USA já entraram, assim como à desestabilização de toda a região e ao aparecimento do tão comentado ISIS.

E chegamos ao que vou chamar de “O GRANDE ENROSCO CONFUSO”.
Aqui nos USA, Donald Trump ganhou as primárias para concorrer à Presidência, pelo Partido Republicano (GOP) e no Brasil, Bolsonaro está cotadissimo para o mesmo posto. O que tem os dois em comum?
Me perdoem se falo mais sobre os USA do que sobre o Brasil. No primeiro, vivo, tendo então experiência na pele. No Brasil, vivi, sendo que agora, embora avidamente leia as notícias, em jornais e através de relatos de amigos e dos posts no Facebook, não é a mesma coisa do estar aí todos os dias.
Então, vamos a alguns fatos interessantes:
Hitler admirava o genocidio perpetrado contra os índios Americanos, assim como as politicas de segregação do regime de Jim Crow no Sul dos USA, tanto que as Leis de Raça de Nuremberg foram moldadas em cima das mesmas. Segundo Ernst Hanfstaengl, Hitler estava “apaixonadamente interessado” na KKK. E falando no mal citado, ele também era bom conhecedor e manipulador, tanto da histeria, como das massas.

“Se você conta uma mentira grande o suficiente e a repete com frequência, será acreditada.”
“Use a emoção para as massas, e a razão para poucos”
“A receptividade das massas é muito limitada, sua inteligencia pouca, mas seu poder de esquecimento é enorme. Como consequência de todos esses fatos, toda propaganda eficaz deve ser limitada a poucos pontos, e há que martelar esses pontos ou slogans até que o ultimo membro do público entenda o que você quer que ele entenda atravéz dos seus slogans.”
“O primeiro e essencial ponto para o sucesso é o emprego regular da violência.”
“Humanitarismo é a expressão de estupidez e covardia.”
“Escolas seculares não devem ser toleradas, porque tal escola não tem intrução religiosa, e qualquer instrução moral sem religião é contruida no ar, consequentemente, todo o treinamento do carater e religião tem que ser derivados da fé…precisamos de pessoas crentes.”
“A nossa força consiste em nossa velocidade e na nossa brutalidade. Genghis Khan levou milhões de mulheres e crianças para o abate, com premeditação e um coração feliz. A História vê nele apenas o fundador de um Estado. Me é indiferente o que uma fraca civilização europeia ocidental vai dizer a meu respeito. Emiti o comando e, se alguém proferir uma palavra de crítica, será executado por um pelotão de fuzilamento, pois nosso objectivo que é a Guerra, não consiste em permanecer dentro de certas linhas, mas na destruição física do inimigo. Assim, define minhas ordens, para que enviem à morte sem dó e sem piedade, homens, mulheres e crianças de derivação e linguagem polaca. Só assim vamos ganhar o espaço de vida (Lebensraum) que precisamos. Quem, afinal, continua falando da aniquilação dos armênios?”
“Não importa o tamanho do talento empregado na organização de propaganda, pois não terá resultado se não for levado em conta este principio fundamental: Propaganda deve ser limitada a alguns temas simples e estes devem ser repetidos sempre. Aqui, como em inúmeros outros casos, a perseverança é a primeira e mais importante condição para o sucesso.”
“A função principal da propaganda é convencer as massas, cuja lentidão de entendimento é grande e precisa de tempo para que possa absorver a informação; e só a repetição constante finalmente conseguirá gravar uma ideia na memória da multidão.”
“Paralela à formação do corpo uma luta contra o envenenamento da alma deve começar. Toda a nossa vida pública de hoje é como uma estufa para idéias sexuais e simulações. Basta olhar para o cardápio servido em nossos filmes, vaudeville e teatros, e você dificilmente será capaz de negar que este não é o tipo certo de alimentos, particularmente para os jovens ... Teatro, arte, literatura, cinema, imprensa, posters, e cultura devem ser limpos de todas as manifestações do nosso mundo podre e voltar a ser colocadas a serviço de uma idéia moral, política e cultural.”

E os exemplos da criatura não acabam, mas a idéia é trazer à tona o quanto as idéias do Hitler continuam firmes, fortes e funcionando, no âmago de nossas vivências. Para os estudiosos do fascismo, não apenas como fenômeno historico, mas como um fenômeno vivo que sempre se manteve numa espécie de meia-vida, nas franjas da direita de qualquer nação, tipo assim como um virus, que está em suspensão e passa a viver e se reproduzir tão logo consiga penetrar na célula de um animal. É um fenômeno ao mesmo tempo simples e complexo: em certo sentido, se assemelha à patologia psicológica humana, que é composta de uma complexa constelação de traços que estão interligados e cuja presença aumenta ou diminui de importância de acordo com os estágios de desenvolvimento que atravessa; e em outro, pode, em muitos aspectos, ser inserida, de cima para baixo, pela imposição cru, quase selvagem, da vontade violenta organizada de um ID humano irritado e dominado pelo medo de suas própias inseguranças.

E é nesse ponto que indivíduos como Trump, Bolsonaro, Maduro, Chavez, Fidel, Stalin (que infelicidade o ter que citar só alguns porque a lista é muito longa), se sobressaem. E não venham me fazer a distinção de que Maduro, Fidel, Stalin eram ou são de esquerda. São e foram tão fascistas quanto Hitler, Mussolini, Hussein, e quantos outros quiserem colocar, pois dominaram milhões de pessoas através do medo, força, destruicão, morte e propaganda, portanto farinha do mesmo saco.

Robert O. Paxton, em “The Anatomy of Fascism” (Anatomia do Fascismo), escreve:

“Fascismo pode ser definido como uma forma de comportamento político marcado pela preocupação obsessiva com o declínio da comunidade, humilhação ou vitimização e por cultos compensatórios de unidade, energia e pureza, em que uma parte é a base de massas de militantes nacionalistas comprometidas, que trabalham na desconfortável mas eficaz colaboração com as elites tradicionais, abandona as liberdades democráticas e persegue com violência redentora e sem ética ou restrições legais, os objetivos de limpeza interna e expansão externa.”

E continua, descrevendo suas “Nove Paixões Mobilizadoras”:
1-Uma sensação de crise esmagadora e fora do alcance de todas as soluções tradicionais.
2-A primazia do grupo, para o qual a pessoa tem deveres superiores a qualquer direito, seja universal ou individual, e a subordinação do indivíduo a citado grupo.
3-A crença de que o grupo é vítima, sentimento este que justifica qualquer ação, sem limites legais ou morais, contra os inimigos do grupo, tanto internos como externos.
4-O medo de declínio do grupo sob o efeito corrosivo do liberalismo individualista, do conflito de classes, e/ou de influências alienígenas.
5-A necessidade de integração de uma comunidade mais pura, por consentimento se possível, ou pela violência excludente, se necessário.
6-A necessidade de autoridade por líderes naturais (sempre do sexo masculino), culminando com um chefe nacional, que é o único capaz de encarnar o destino do grupo.
7-A superioridade dos instintos do líder sobre a razão abstrata e universal
8-A beleza da violência e a eficácia da vontade, sempre e quando dedicadas ao sucesso do grupo.
9-O direito do povo escolhido de dominar os outros sem restrições de qualquer tipo de lei, humana ou divina, direito a ser decidido pelo único critério de bravura do grupo (lei do mais forte, e não, Darwin nunca disse isso).

Em muitos aspectos, a campanha presidencial de Trump preenche muitos dos componentes dessa complexa constelação de características que define o fascismo, somado ao aparecimento do líder carismático em torno do qual as tropas podem se juntar, aquele que exprime as suas frustrações e seduz seus seguidores. E é isso que o torna tão perigoso.
Porque a histeria tem como base a sedução. Longe dos fatos, longe da lógica, baseia-se em “sentimentos”, “sensações” e percepções. E quando o líder carismatico sabe como controlar esse caldeirão em ebulição, dignificando os mais baixos sentimentos e aspirações, que todos nós temos, a maioria de nós tentando manter sob controle, a quimica é perfeita.

Vejamos quais foram e são os pontos básicos da campanha do Trump:

Eliminação e Purificação da Raça: Mandar todos os mexicanos ilegais de volta para o México (são 11 milhões de pessoas, a logistica envolvida nisso é incompreensivel), porque são todos ladrões, criminosos, assassinos e estupradores, retorica classica para demonizar uma classe inteira de gente, reduzindo-os a objetos que só servem para ser eliminados. Não vamos nos esquecer de também devolver todos os Mussulmanos.

Ultranacionalismo Palingenético, definido pelos seus slogans de campanha: “Fazer a América grandiosa de novo”, “Tomar o país de volta”, ou seja o mito do renascimento da Fênix, a partir das cinzas, de uma sociedade toda inteira, para um utópico “tempo bom”, num passado que provavelmente nunca existiu.

Profundo desprezo tanto pelo liberalismo quanto pelo conservadorismo estabelecido.

Proclamação consistente e retumbante do “estado de crise” da America e da mesma ter se tornado motivo de riso do resto do mundo, por causa dos liberais, principalmente o mais negro e liberal de todos, que acontece ser o Presidente da Nação.

Personifica a insistência fascista da liderança masculina por ser “um homem do destino”, assim como sua recusa em reconhecer a evidência factual da falsidade de muitas das suas proclamações e comentários incorporando a noção fascista que os instintos do líder são mais importantes que a razão e os fatos.

Desprezo por “fraquezas”, que vão desde dizer que quem é capturado numa guerra é uma besta, a escárnio de um repórter do New York Times com deficiência física.

Os exemplos são tantos que não há qualquer possibilidade de colocá-los todos num post de blog.

O ponto é o seguinte: fascismo só funciona em cima da perfeita organização da histeria de massa. E nisso, culpo a mídia, falada, escrita e de qualquer outra forma, que prefere o interessante aos fatos e está sendo incapaz de promover pensamento critico, que alias é o único antidoto para a já citada.

E é tão simples: Pense. Pense sobre você mesmo e suas crenças. Por que as tem? De onde vieram? Elas defendem seus direitos ou suas singularidades? Consegue debater sem insultar? Consegue diferenciar coisas pelas quais morreria, daquelas pelas quais vive?

"Os direitos humanos" são uma coisa boa, mas como podemos ter a certeza de que nossos direitos não se expandem à custa dos direitos dos outros? Uma sociedade com direitos ilimitados é incapaz de enfrentar a adversidade. Se não desejarmos ser governados por uma autoridade coercitiva, então cada um de nós deve controlar-se. A sociedade estável não é alcançada através do equilíbrio entre forças opostas, mas pela consciência da auto-limitação, pelo princípio de que estamos sempre obrigados a defender o senso de justiça moral. "
Aleksandr Solzhenitsyn, Rebuilding Russia: Reflections and Tentative Proposals (Reconstruindo a Russia: Reflexões e Propostas, tradução livre)

BIBLIOGRAFIA
Mass Hysteria & Moral Panic: Definitions, Causes & Examples CLIQUE AQUI

Mass Delusions and Hysterias: Highlights from the Past Millennium CLIQUE AQUI

MEIN KAMPF, Adolph Hitler CLIQUE AQUI

Nazi Germany: Confronting the Myths: Catherine A. Epstein, John Wiley and sons, 2015

Rebuilding Russia: Reflections and Tentative Proposals, Aleksandr Solzhenitsyn ,Harvil Press, 1991

Salem Witch Trials CLIQUE AQUI

Strange Cases of Mass Hysteria CLIQUE AQUI

Storia dei Greci, Indro Montanelli, RCS Rizzoli Libri, Milano, 1979

The Anatomy of Fascism, Robert O Paxton   CLIQUE AQUI